Agronegócio

Produtores argentinos encerram greve após fim de teto para exportação de milho

Reuters
Reuters

13 de janeiro de 2021 - 17:16 - Atualizado em 13 de janeiro de 2021 - 17:20

Por Maximilian Heath

BUENOS AIRES (Reuters) – Agricultores argentinos encerraram uma greve de vendas de três dias nesta quarta-feira, pouco antes do momento originalmente marcado, após o governo do país ter eliminado um limite de 30 mil toneladas por dia para as exportações de milho e concordado em liberar os embarques.

O limite às exportações, que havia sido imposto no início da semana, gerou críticas dos agricultores, que afirmaram que a medida prejudicaria a produção local. A Argentina é a terceira maior exportadora de milho do mundo, além de maior fornecedora global de farelo de soja.

O teto de 30 mil toneladas diárias para os embarques de milho veio após uma decisão do governo de suspender todas as exportações da commodity em janeiro e fevereiro, que foi tomada no final de dezembro e teve vida curta. Segundo o Ministério da Agricultura da Argentina, os limites tinham como objetivo garantir ampla oferta doméstica de alimentos e preços acessíveis.

No entanto, três grandes associações agrícolas do país –conhecidas pelas siglas em espanhol CRA, FAA e SRA– se opuseram à medida, afirmando que não há escassez de milho na Argentina e que limitar as exportações aumentaria a incerteza.

“Foi demonstrado claramente que o limite às exportações de milho era um erro”, disse em entrevista coletiva o presidente da SRA, Daniel Pelegrina, acrescentando que “nosso objetivo foi alcançado.”

A curta greve de vendas promovida pelos agricultores não teve efeito nas exportações argentinas, segundo a câmara CIARA-CEC, que reúne processadores de oleaginosas e empresas agroexportadoras.

Como parte de um acordo negociado com as entidades rurais na terça-feira, o Ministério da Agricultura suspendeu o limite diário de exportação e formou uma comissão para monitorar os preços internos do milho.

A greve de três dias havia causado preocupações no país, desesperado pelas receitas em dólares obtidas com as exportações em momento em que enfrenta uma longa recessão e as consequências econômicas da pandemia de Covid-19.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.