Agronegócio

Produção de petróleo do Brasil cai 6% no 1º tri com recuo da Petrobras

Reuters
Reuters

26 de abril de 2021 - 18:07 - Atualizado em 26 de abril de 2021 - 18:10

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A produção de petróleo do Brasil caiu 6% no primeiro trimestre, ante o mesmo período de 2020, com influencia de recuo da Petrobras, apontaram dados do painel dinâmico da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), contabilizados pela Reuters nesta segunda-feira.

Entre janeiro e março, o Brasil produziu média de cerca de 2,8 milhões bpd, ante aproximadamente 3 milhões de bpd no primeiro trimestre do ano passado, segundo a agência.

Já a produção de gás natural do país somou 131,2 milhões de metros cúbicos por dia no primeiro trimestre, alta de 1% na mesma comparação, apontou a ANP.

A Petrobras –responsável por cerca de 75% da produção brasileira–, produziu 2,1 milhões de bpd no primeiro trimestre, queda de 5%, segundo os dados da ANP.

A produção de gás natural da petroleira estatal totalizou 96,5 milhões de metros cúbicos por dia, queda de 1% ante o mesmo período do ano passado.

A ANP não aponta em seu painel dinâmico quais os motivos para a queda apresentada.

A Petrobras publicará na terça-feira seu relatório de produção do primeiro trimestre, onde deverá apresentar informações detalhadas.

A anglo-holandesa Shell, segunda maior produtora do Brasil, produziu 343,7 mil bpd no primeiro trimestre do ano, queda de 8% ante o mesmo período de 2020. A petroleira, que é a principal sócia da Petrobras nos campos produtores do pré-sal, foi responsável por 12% da produção brasileira entre janeiro e março deste ano.

PRODUÇÃO EM MARÇO

Em março, a produção de petróleo do Brasil somou 2,84 milhões de barris por dia, queda de 4,3% ante o mesmo mês de 2020. Já a produção de gás natural foi de 126 milhões de metros cúbicos por dia, alta de 3,5% na mesma comparação.

Já a produção de petróleo da Petrobras somou em março 2 milhões de bpd, queda de cerca de 5% na comparação com um ano antes, enquanto a de gás natural foi de 95,45 milhões de metros cúbicos por dia, queda de 0,2%.

(Por Marta Nogueira)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.