Agronegócio

Previsão para safra de soja argentina cai a 43 mi t por efeito de seca, diz bolsa

Reuters
Reuters

8 de abril de 2021 - 16:05 - Atualizado em 8 de abril de 2021 - 16:10

BUENOS AIRES (Reuters) – A safra de soja 2020/21 da Argentina deverá atingir 43 milhões de toneladas, ante 44 milhões estimadas anteriormente, devido a rendimentos inferiores aos esperados por consequência da seca que afetou o país entre fevereiro e março, disse a Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BdeC) nesta quinta-feira.

A Argentina é a maior exportadora de óleo e farelo de soja do mundo. As condições climáticas desfavoráveis ao longo da temporada obrigaram a entidade a reduzir em várias oportunidades sua estimativa para a colheita da oleaginosa, que no início do ciclo era de 46,5 milhões de toneladas.

“Durante as últimas três semanas, os resultados da colheita ficam abaixo dos rendimentos esperados e inclusive das médias históricas, refletindo o impacto do déficit hídrico durante os meses de fevereiro e março”, disse a BdeC em relatório semanal de cultivos.

Segundo o informativo, até quarta-feira a colheita de soja do país, recém-iniciada, atingia 3,5% da área plantada.

Em relação ao milho 2020/21, cuja produção a BdeC prevê em 45 milhões de toneladas, a entidade disse que as condições majoritariamente secas na última semana permitiram o avanço da colheita do grão, que alcançou 12%.

O clima seco registrado durante a temporada 2020/21 também obrigou a bolsa a reduzir seu cálculo para a safra do cereal, inicialmente de 47 milhões de toneladas.

(Reportagem de Maximilian Heath)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.