Agronegócio

Preços do açúcar bruto caem, café também fecha em baixa

Reuters
Reuters

22 de junho de 2021 - 17:26 - Atualizado em 22 de junho de 2021 - 17:30

Por Marcelo Teixeira e Nigel Hunt

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do açúcar bruto na ICE fecharam em queda nesta terça-feira, voltando aos preços da sessão anterior de mínima de dois meses, após forte alta de curta duração. Os preços do café arábica também recuaram.

AÇÚCAR

* Açúcar bruto para julho fechou em queda de 0,35 centavo de dólar, ou 2,1%, em 16,43 centavos de dólar por libra-peso. O primeiro mês recuou a uma mínima de 16,19 centavos de dólar na segunda-feira.

* Operadores afirmaram que o mercado estava na defensiva novamente, após forte alta no fim da segunda-feira, com fundos atualmente reduzindo as posições compradas do adoçante.

* Eles indicaram que o desconto de julho para outubro estava mais amplo na corrida para a expiração na próxima semana, com sinal de que há pouco apetite para receber açúcar, pois a demanda permanece fraca.

* Uma grande usina brasileira disse que planeja mudar a sua estratégia de produção esta temporada, para aumentar a produção do etanol e diminuir a de açúcar.

* Açúcar branco para agosto recuou 7 dólares, ou 1,6%, em 418,70 dólares a tonelada.

CAFÉ

* Café arábica para setembro fechou em queda de 1,95 centavo de dólar, ou 1,3%, em 1,521 dólar por libra-peso, recuando a mínima de um mês de 1,4905 dólar, na segunda-feira.

* Operadores afirmaram que uma melhoria nos resultados das safras do ano que vem no Brasil, após chuvas recentes, pesou nos preços. Apesar de que um recuo na produção esse ano, um ano de baixa no ciclo de safra bienal do país, ajudou a sustentar os preços.

* “Nós esperamos que as chuvas recentes no Brasil nas principais regiões de produção de café arábica pesassem nos preços do café, com o cenário fraco para a atual safra ganhando altos preços”, afirmou o administrador de fundo Wisdom Tree, em relatório.

* A operadora Comexim afirmou em nota aos clientes que o mercado spot do Brasil tem estado devagar, devido à recente enfraquecida em Nova York e fortalecimento da moeda local.

* Café robusta para setembro fechou em baixa de 20 dólares, ou 1,2%, em 1.597 dólar a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt )

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.