Agronegócio

Portuários de Santos receberão vacina contra Covid-19; doses ainda são limitadas

Reuters
Reuters

26 de maio de 2021 - 18:57 - Atualizado em 26 de maio de 2021 - 19:00

SÃO PAULO (Reuters) – Os trabalhadores do Porto de Santos começarão a ser vacinados contra a Covid-19 a partir de quinta-feira, informou o Ministério da Infraestrutura em nota publica nesta quarta, embora o governo do Estado de São Paulo tenha afirmado que a imunização total da categoria depende da efetividade do envio de quantitativos de vacina pelo governo federal.

O anúncio é uma resposta à pressão crescente dos trabalhadores, que ameaçaram entrar em greve se a imunização não ocorresse até 31 de maio em Santos –um porto chave para as exportações do Brasil.

O governo paulista chegou a anunciar o início da vacinação dos portuários para o próximo dia 1º de junho, mas em comunicado emitido no final da tarde desta quarta-feira o ministério indicou que o processo de imunização começará já no dia 27 de maio.

“A Autoridade Portuária de Santos foi escolhida para ser o local onde o governo federal dará início ao novo calendário que repriorizou os trabalhadores portuários no Programa Nacional de Imunização (PNI)”, disse a pasta.

Mais cedo, o governo de São Paulo havia destacado em nota que haverá oferta de 40 mil doses neste primeiro momento, mas que os portuários terão que dividir este volume com trabalhadores dos aeroportos.

A coordenadora geral do Programa Estadual de Imunização de São Paulo, Regiane de Paula, afirmou em entrevista coletiva que a quantidade inicial de doses destinadas à campanha não é suficiente para que todos os funcionários do maior porto da América Latina sejam imunizados.

“No dia 1º de junho, 21 mil pessoas deverão tomar a vacinação, e precisamos que o Ministério da Saúde também nos envie essas doses (a mais). O quantitativo de doses enviadas não é suficiente para que a gente possa fazer a totalização da vacinação desse público-alvo”, disse Regiane.

Ela acrescentou que a estratégia aplicada em São Paulo seguirá diretrizes do ministério, que indicam que a vacinação poderá ser destinada a “qualquer trabalhador portuário, incluindo os funcionários administrativos” mediante documento que comprove o exercício da função.

O anúncio do governo estadual veio um dia após a divulgação de um comunicado do Ministério da Saúde informando que seria antecipada a vacinação contra a Covid-19 para trabalhadores portuários e do transporte aéreo, em meio aos esforços para impedir a propagação de uma nova variante, com origem na Índia, no país.

A agência marítima Williams afirmou em nota que o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, assumiu publicamente o compromisso de vacinar os funcionários de Santos, citando mensagem de áudio de 23 de maio, compartilhada publicamente pela Federação Nacional dos Operadores Portuários (Fenop).

Na Argentina, os trabalhadores portuários estão greve de 48 horas a partir da meia-noite, depois de paralisar as exportações agrícolas do país na semana passada com uma suspensão inicial do trabalho devido à reivindicação de vacinação contra Covid-19.

De acordo com uma mensagem de vídeo postada nas redes sociais da Fenop, funcionários dos ministérios de Infraestrutura e Saúde prometeram começar a vacinar 150 mil funcionários de portos e aeroportos antes do prazo.

(Reportagem de Ana Mano, Gabriel Araujo e Nayara Figueiredo)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.