Agronegócio

Parte da safra de milho do RS tem quebra por seca, avalia Fecoagro

Reuters
Reuters

30 de outubro de 2020 - 15:04 - Atualizado em 30 de outubro de 2020 - 15:05

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) – O Rio Grande de Sul, maior produtor de milho na primeira safra do Brasil, registra perdas irreversíveis nas lavouras do cereal devido à seca, o que adiciona potencial para alta de preços em um mercado que lida com oferta escassa, avaliaram a federação das cooperativas agropecuárias do Estado (Fecoagro) e especialistas.

Alguns produtores gaúchos, que por questões climáticas fazem apenas uma safra de milho por ano, diferentemente de outras partes do país que colhem mais na segunda, já acionaram o seguro rural. Outros agricultores do Estado estão ponderando plantar soja em terras nas quais o milho não se desenvolveu.

“É difícil estimar (as perdas), mas acredito que tem produtores no Rio Grande do Sul que já acionaram o seguro, aqueles que já têm danos irreversíveis. E tem produtores não financiados pensando em tirar o milho e plantar soja”, disse à Reuters o presidente da Fecoagro, Paulo Pires.

“O produtor vai aproveitar os preços da soja, o produtor é muito dinâmico, ele vira a página muito rápido”, disse ele, em referência às cotações da oleaginosa, que assim com as do milho, estão em patamares recordes.

O Rio Grande do Sul tem safra de milho estimada pelo governo em 5,7 milhões de toneladas em 2020/21, ou pouco mais de 20% da produção total no verão –volume que não considera perdas pela seca.

O preço do milho bateu um recorde histórico no Brasil esta semana, com a cotação atingindo 82,67 reais por saca de 60 kg nesta quarta-feira. Os valores apagaram máxima anterior de 2007, de acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Na última terça-feira, a soja marcou 166,57 reais/saca, nova máxima, segundo o indicador do Cepea.

A firmeza nas cotações já havia levado o governo a reduzir as tarifas para importações de soja e milho de fora do Mercosul, mas questões sobre variedades transgênicas não aprovadas trazem preocupações sobre eventuais negócios, segundo especialistas.

O analista da Safras & Mercados Paulo Molinari disse que as importações ainda estão limitadas a países ao Mercosul, especialmente Paraguai, e o mercado deve ficar sustentado até meados de 2021, quando acontecerá a colheita da segunda safra brasileira.

“A primeira safra de milho não atende todo o mercado, ainda mais se a região Sul tiver quebra. Continua tendo problema no Rio Grande do Sul”, afirmou ele à Reuters.

Nesta sexta-feira, separadamente, a Safras & Mercado revisou seus números de produção total do país, elevando a projeção para um recorde de 116,427 milhões de toneladas do cereal, que considera uma área maior na segunda safra, já que reduziu a estimativa da colheita de verão, devido à seca.

Pires, da Fecoagro, concordou que não há sinalização para uma redução do preços das commodities agrícolas.

“Estão em desespero por milho, nunca vi indústrias tão preocupadas com o suprimento da matéria-prima, e os produtores com milho plantado com pivô (irrigação) vão ter bons resultados”, acrescentou o presidente da federação.

PREVISÃO

Após pancadas de chuvas isoladas no Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina esperadas para sábado, o tempo deve voltar a ficar firme em toda a metade sul do país na próxima semana, dificultando os trabalhos de plantio de soja e milho, sem alívio para as condições do cereal, disse nesta sexta-feira o agrometeorologista da Rural Clima, Marco Antonio dos Santos.

“A primeira semana de novembro vai ser exatamente assim, chuvas apenas no Matopiba (Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia) e norte de Goiás e Minas Gerais”, disse.

Segundo ele, somente no final da próxima semana as chuvas retornarão ainda de forma irregular sobre boa parte do Brasil, o que poderia colaborar para estancar perdas no milho primeira safra, especialmente no Rio Grande do Sul.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.