Agronegócio

Pandemia reduz consumo global de açúcar em 2,5 mi t, diz S&P Global Platts

Reuters
Reuters

25 de setembro de 2020 - 12:58 - Atualizado em 25 de setembro de 2020 - 13:00

NOVA YORK (Reuters) – A pandemia de coronavírus cortou o consumo global de açúcar em 2,5 milhões de toneladas na temporada 2019/20 (outubro a setembro), ajudando a reduzir drasticamente o déficit de oferta esperado, disseram analistas da S&P Global Platts nesta sexta-feira.

Medidas para conter a disseminação da doença deixaram pessoas em suas casas e reduziram o uso de açúcar pelo mundo.

As restrições também derrubaram o consumo de etanol e os preços do biocombustível no Brasil, maior produtor do adoçante, que então aumentou a fabricação de açúcar e tornou ultrapassada uma previsão anterior de déficit de oferta de quase 7 milhões de toneladas, segundo a consultoria.

A S&P Global Platts agora vê um déficit global de oferta bem menor em 2019/20, de 260 mil toneladas, embora projete um aumento no déficit na próxima temporada (2020/21), quando ele alcançaria 1,14 milhão de toneladas com o consumo de açúcar se recuperando e aumentando 1,5%.

Os analistas preveem um cenário positivo de preços para 2020/21, ao estimar que os futuros do açúcar bruto devem avançar para cerca de 14,5 centavos de dólar por libra-peso devido à esperada recuperação na demanda e ao maior uso de etanol no Brasil, que impactaria negativamente a produção de açúcar do país.

Eles estimaram que a produção de açúcar do centro-sul do Brasil na temporada 2020/21 deve cair para 32,8 milhões de toneladas, ante 37,1 milhões de toneladas na safra atual.

(Reportagem de Marcelo Teixeira)