Agronegócio

Oferta de CBios deve superar 18 mi em 2020, diz Unica; compras atingem 8,6 mi

Reuters
Reuters

30 de novembro de 2020 - 17:15 - Atualizado em 30 de novembro de 2020 - 17:20

SÃO PAULO (Reuters) – A oferta de créditos de descarbonização (CBios) para distribuidoras de combustíveis em 2020 deverá superar a marca de 18 milhões de títulos, ficando acima da meta obrigatória de comercialização estipulada pelo programa RenovaBio, disse nesta segunda-feira a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

A entidade citou cálculos baseados no volume de etanol certificado que deve ser comercializado nas próximas semanas.

A meta estabelecida pelo RenovaBio para as compras obrigatórias pelas distribuidoras de combustíveis alcança 14,9 milhões de CBios, considerando o total de 2020 (14,5 milhões) e parte da meta de 2019.

Neste ano, o RenovaBio teve seus objetivos iniciais reduzidos pela metade pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) em função dos impactos da pandemia de Covid-19 sobre o setor de distribuição de combustíveis.

A Unica informou que dados da B3 indicam que 8,6 milhões de CBios foram comprados por distribuidoras até o momento, e que há outros 6,3 milhões de títulos disponíveis no mercado.

“O fato de o RenovaBio estar sendo bem-sucedido em um ano como este comprova o comprometimento dos produtores de biocombustíveis e do governo federal com a descarbonização e o combate às mudanças climáticas”, disse em comunicado o presidente da Unica, Evandro Gussi.

Ele também elogiou a readequação das metas anuais, citando a “nova realidade trazida pela pandemia”.

No último dia 19, quando o RenovaBio chegou à marca de 15 milhões de créditos validados, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) apontava que as compras pelas partes obrigadas a cumprir metas individuais chegava a 8,3 milhões de CBios.

O programa, que visa contemplar parte das metas de redução de gases de efeito estufa estipuladas para o Brasil pelo Acordo de Paris, esteve no centro de questionamentos jurídicos recentemente.

Distribuidoras de combustíveis foram à Justiça para cumprir neste ano apenas metade das metas já reduzidas –ou 25% do total planejado no início de 2020–, alegando uma disparada nos preços dos créditos e o represamento de vendas pelos produtores.

As companhias chegaram a obter uma liminar, que posteriormente foi cassada pela ANP.

(Por Gabriel Araujo)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.