Agronegócio

‘Não entrem em pânico’, diz governo chinês a suinocultores após queda de preços

Reuters
Reuters

21 de junho de 2021 - 08:54 - Atualizado em 21 de junho de 2021 - 08:55

PEQUIM (Reuters) – A associação da indústria de produção de animais da China, que possui o apoio do governo local, pediu nesta segunda-feira que os suinocultores do país não entrem em pânico em momento em que os preços da carne caem ainda mais e investidores vendem ações de grandes companhias do setor.

As cotações do suíno vivo no país, maior consumidor de carne de porco do mundo, despencaram 65% desde o início do ano, diante do aumento da produção doméstica e à medida que grandes volumes importados da proteína chegam ao mercado.

Alguns suinocultores, esperando um aumento nos preços, chegaram a comprar porcos quase totalmente desenvolvidos para engordá-los ainda mais, projetando grandes lucros.

Com o rápido declínio nos preços, porém, os produtores estão vendendo suínos excessivamente pesados, em movimento que pressionou ainda mais as cotações, e levantando temores sobre a possibilidade de a liquidação rapidamente se transformar em um período de oferta limitada.

“Em um período de queda nos preços, não entre em pânico e, além disso, não dê ouvidos a rumores e não planeje a produção com a mentalidade de uma aposta”, disse a Associação de Agricultura Animal da China (CAAA, na sigla em inglês) em comunicado publicado nesta segunda-feira.

O aviso ocorre após uma mensagem semelhante ter sido divulgada pelo órgão estatal de planejamento chinês na semana passada.

A CAAA pediu que produtores se concentrem em cortes de custos e no aumento da eficiência.

(Reportagem de Dominique Patton)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.