Agronegócio

Milho toca máxima de 7 meses em Chicago com aperto de estoques; soja fecha estável

Reuters
Reuters

1 de outubro de 2020 - 20:20 - Atualizado em 1 de outubro de 2020 - 20:25

Por Julie Ingwersen

CHICAGO (Reuters) – Os contratos futuros do milho negociados em Chicago atingiram uma máxima de sete meses nesta quinta-feira, impulsionados pelas firmes vendas de exportação dos Estados Unidos e por dados governamentais indicando os estoques domésticos do cereal em nível inferior ao esperado, disseram operadores.

Apesar disso, o milho terminou o dia distante das máximas registradas na sessão, enquanto a soja devolveu ganhos e fechou estável, diante de um fluxo de vendas por produtores que se aproveitaram do rali. Os futuros do trigo encerraram o dia em baixa.

“Estamos nos segurando razoavelmente bem, apesar do grande aumento nas vendas pelos produtores… O movimento do milho ontem foi descrito como muito ativo”, disse Rich Feltes, vice-presidente de Pesquisas da R.J. O’Brien.

O contrato dezembro do milho fechou em alta de 3,75 centavos de dólar, a 3,8275 dólares por bushel, depois de atingir a marca de 3,8550 dólares, mais alto nível desde 4 de março.

A soja para novembro terminou a sessão estável, a 10,2350 dólares o bushel, depois de avançar a uma máxima de uma semana e meia de 10,35 dólares, enquanto o vencimento dezembro do trigo recuou 7,75 centavos, para 5,7025 dólares/bushel.

(Reportagem de Julie Ingwersen, em Chicago; reportagem adicional de Nigel Hunt, em Londres, e Naveen Thukral, em Cingapura)