Agronegócio

Índia espera rápido aumento no consumo de etanol; Tailândia, nem tanto

Reuters
Reuters

26 de outubro de 2020 - 15:49 - Atualizado em 26 de outubro de 2020 - 15:50

Por Marcelo Teixeira

NOVA YORK (Reuters) – A produção e o consumo de etanol da Índia, terceiro maior mercado de combustíveis do mundo, deve aumentar rapidamente nos próximos anos, à medida que o governo se esforça para elevar as misturas do biocombustível no país, disse uma autoridade do setor nesta segunda-feira.

Abinash Verma, diretor-geral da Associação de Usinas de Açúcar da Índia (ISMA, na sigla em inglês), disse que as usinais do país deverão aumentar a produção de etanol de 1,9 bilhão de litros em 2020 para 3 bilhões de litros em 2021, visando cumprir a meta do governo de adicionar 10% do biocombustível à gasolina até 2022. Isso exigiria um volume de 5,5 bilhões de litros de etanol.

“O governo está muito interessado no programa de etanol, vai ajudar a desenvolver a capacidade de produção”, afirmou Verma em uma apresentação na Datagro International Sugar & Ethanol Conference.

A Índia é a quinta maior produtora de etanol do mundo, atrás somente dos Estados Unidos, Brasil, China e Canadá. O país vê o programa para o aumento da mistura do biocombustível como uma forma de reduzir os custos com importações de petróleo, elevar os preços internacionais do açúcar e ajudar a reduzir as emissões de carbono nas grandes cidades.

Verma disse que o aumento na produção de etanol ajudaria o país a diminuir seus excedentes de açúcar. As exportações do adoçante representam um custo elevado para o governo, devido aos subsídios concedidos à indústria para tornar esses embarques competitivos.

O membro da ISMA disse que o governo deseja avançar para uma mistura de 20% de etanol até 2030, o que exigiria de 10 bilhões a 11 bilhões de litros do biocombustível por ano. Verma afirmou que haverá financiamento público para que as companhias ampliem a capacidade de produção.

A Tailândia, outra grande produtora de açúcar e etanol, também está elevando a mistura, mas o país reduziu sua meta de longo prazo por projetar que o papel dos veículos elétricos vá aumentar.

Pipat Suttiwisedsak, presidente da associação de produtores de etanol KTBE, disse na conferência que a Tailândia reduziu a meta para a mistura de 11,3 milhões de litros por dia para 7,5 milhões de litros por dia.

Mas considerando que o consumo atual de etanol é de cerca de 4,45 milhões de litros por dia, ainda há espaço para crescimento, acrescentou Suttiwisedsak.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.