Agronegócio

Importação de soja pela China cresce 13% em 2020 com demanda do setor de suínos

Reuters
Reuters

14 de janeiro de 2021 - 11:25 - Atualizado em 14 de janeiro de 2021 - 11:30

PEQUIM (Reuters) – As importações de soja pela China saltaram 13% em comparação anual em 2020, atingindo um recorde, mostraram dados de alfândegas nesta quinta-feira, após processadores terem aumentado compras em meio a uma melhoria nas margens e à demanda do setor de suínos do país, que tem se recuperado rapidamente.

A China, maior compradora de soja do mundo, importou 100,33 milhões de toneladas da oleaginosa em 2020, acima dos 88,5 milhões de toneladas de 2019, de acordo com a Administração Geral de Alfândegas.

Em dezembro as importações somaram 7,524 milhões de toneladas, queda de 27% ante as 9,54 milhões do ano anterior e também abaixo das 9,59 milhões de toneladas de novembro.

“As importações de soja em dezembro foram menores que o esperado, provavelmente devido a atrasos em embarques”, disse Xie Huilan, analista da consultoria agrícola Cofeed. Mas os dados anuais ficaram dentro das expectativas, acrescentou Xie, com uma boa demanda e a China comprando mais carregamentos dos EUA.

A China tem reconstruído seu rebanho de suínos, que foi devastado pela peste suína africana, com a população suína agora voltando aos níveis normais, segundo a mídia estatal.

E a demanda continua muito forte, segundo um executivo de uma processadora de soja no norte da China.

“As importações no Ano Novo devem atingir um novo recorde”, afirmou ele, que falou sob anonimato porque não tem autorização para conversar com a imprensa.

As processadoras de soja compraram soja do Brasil no começo de 2020 e se voltaram para carregamentos dos EUA no quarto trimestre, quando os grãos norte-americanos chegaram ao mercado, com o governo chinês também ampliando as compras de produtos agrícolas dos EUA para cumprir os termos de um acordo comercial entre os países.

As importações de soja dos EUA pela China cresceram 56,3% na comparação anual em iuanes, segundo um porta-voz da alfândega em coletiva nesta quinta-feira.

(Por Hallie Gu e Dominique Patton)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.