Agronegócio

Imea mantém previsões para milho e algodão de MT, mas cita riscos climáticos

Reuters
Reuters
Imea mantém previsões para milho e algodão de MT, mas cita riscos climáticos
Armazém com milho em Sorriso (MT)

5 de julho de 2021 - 17:12 - Atualizado em 5 de julho de 2021 - 17:15

SÃO PAULO (Reuters) – As estimativas de safras de milho e algodão de Mato Grosso 2020/21 foram mantidas nesta segunda-feira em relação à previsões do mês anterior, apontou o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), que alertou para efeitos de alguns problemas climáticos.

A safra de milho de Mato Grosso, maior produtor nacional de grãos e oleaginosas, foi estimada em 32 milhões de toneladas. Isso representa uma queda de 9,7% ante a temporada anterior, devido ao impacto da seca.

O atraso na safra continua pautando as incertezas quanto aos rendimentos para o fim da safra, disse o Imea.

“No que se refere às primeiras áreas colhidas, as produtividades reportadas têm apresentado uma significativa variação em grande parte das regiões, e as áreas mais tardias — mais impactadas pelo clima ao longo do desenvolvimento– que ainda não foram colhidas tendem a pressionar a produtividade final da safra”, disse o instituto, que ainda assim não alterou os números mensais, aguardando o avanço dos trabalhos.

A safra de algodão, cuja colheita está apenas começando, foi estimada em 1,62 milhão de toneladas (pluma), estável ante a projeção anterior.

“Apesar dos altos rendimentos da colheita até aqui, a falta de chuva e a baixa umidade do solo em períodos importantes para o desenvolvimento das plantas prejudicaram as lavouras mais tardias em algumas regiões do Estado, o que tende a refletir no resultado final da safra”, disse o Imea.

“Além disso, as baixas temperaturas observadas em Mato Grosso e pontos de geada em alguns municípios produtores na última semana também poderão influenciar nas lavouras que ainda estão em desenvolvimento, principalmente nas ponteiras da planta.”

No que diz respeito à safra de soja que será plantada a partir de setembro, o Imea previu aumento de 3,3% na área, para 10,8 milhões de hectares, com produtores otimistas com preços e a relação de troca com insumos.

Se a clima colaborar, a nova safra de soja Estado poderia atingir 37,3 milhões de toneladas, um novo recorde. O número aponta uma quase estabilidade ante previsão anterior, mas um aumento anual de 3,5%.

“Os preços médios em altos patamares, somados à uma relação de troca com insumos mais favorável aos produtores continuam auxiliando na tomada de decisão no Estado”, comentou o instituto.

(Por Roberto Samora)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH640U1-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.