Agronegócio

Haiti registra primeiro surto de peste suína africana em 37 anos, diz OIE

Reuters
Reuters
Haiti registra primeiro surto de peste suína africana em 37 anos, diz OIE
Produção de suínos em Pingtung, Taiwan

22 de setembro de 2021 - 19:47 - Atualizado em 22 de setembro de 2021 - 19:50

Por Tom Polansek

CHICAGO (Reuters) – O Haiti registrou seu primeiro surto de peste suína africana (PSA) em 37 anos, um vírus fatal a porcos, disse a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE, na sigla em inglês), alimentando preocupações sobre a disseminação da doença nas Américas.

Uma operação em Anse-à-Pitre, perto da fronteira do Haiti com a República Dominicana, indicou um surto que começou em 26 de agosto, disse a organização em relatório na segunda-feira.

A detecção é “lamentável”, mas não surpreendente devido aos casos recentes na República Dominicana, disse o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) nesta terça-feira. A agência está consultando autoridades de saúde animal de ambos os países.

Os surtos em Hispaniola, uma ilha na América do Norte, aumentam as preocupações de que a peste suína africana possa se espalhar para os Estados Unidos, que nunca tiveram a doença, e paralisar temporariamente as exportações de carne suína norte-americana. Os governos frequentemente bloqueiam as importações da proteína de países onde a doença foi encontrada para prevenir a transmissão.

Os Estados Unidos já proíbem a carne suína haitiana e dominicana devido a outra doença suína local, segundo o USDA.

Ainda assim, a Alfândega e a Proteção de Fronteiras dos EUA estão aumentando as inspeções de carne suína ilegal em voos de Hispaniola e garantindo que o lixo de avião seja descartado de maneira adequada, disse o USDA.

Em julho, o USDA informou que a República Dominicana teve os primeiros casos de peste suína africana das Américas em quase 40 anos.

No Brasil, a associação da indústria de proteína animal ABPA disse em nota que colocou o setor em campanha total de prevenção à PSA, após a notificação das autoridades sanitárias do Haiti sobre a ocorrência da enfermidade em seu território.

Segundo a entidade, uma intensa campanha multilíngue (em português, inglês, francês, crioulo e espanhol) está em curso nas redes sociais, na comunicação interna das empresas produtoras e fornecedoras da cadeia produtiva, e nas mais diversas vias, incluindo stakeholders e outras organizações.

Ao mesmo tempo, por meio do Grupo Especial de Prevenção à Peste Suína Africana (Gepesa) da ABPA, foram integrados esforços ao governo federal pela intensificação da defesa sanitária.

“O Ministério da Agricultura se adiantou à pauta e intensificou a inspeção nos principais portos de entrada do País, impedindo a entrada de produtos cárneos”, disse no comunicado a diretora técnica da ABPA, Sulivan Alves. 

Ela acrescentou que o ministério assinou um convênio interpaíses de emergencialidade para a prevenção da doença.

Ao mesmo tempo, disse Sulivan, a América Latina também entrou em estado de atenção por meio do grupo #TodosContraLaPPA, com intercâmbio de informações e esforços de 21 associações de 18 países do continente latino-americano, em uma grande campanha continental.

A peste suína africana é inofensiva para os humanos, mas frequentemente fatal para os porcos. Ele se originou na África antes de se espalhar pela Europa e Ásia e matou centenas de milhões de animais em rebanhos.

A doença se espalhou rapidamente na China a partir de 2018 e eliminou metade do rebanho de suínos do país em um ano.

(Por Tom Polansek; reportagem adicional de Nayara Figueiredo em São Paulo)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8L16J-BASEIMAGE