Agronegócio

Grupos de pecuaristas do Brasil se opõem à importação de gado do Paraguai

Reuters
Reuters

24 de fevereiro de 2021 - 19:59 - Atualizado em 24 de fevereiro de 2021 - 20:00

Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) – Um grupo comercial que representa frigoríficos no Brasil pediu autorização ao Ministério da Agricultura para importar gado do Paraguai, o que atraiu críticas de pecuaristas brasileiros, disseram duas associações rurais nesta quarta-feira.

O pedido para importação de gado vivo do país vizinho, realizado por um grupo com sede em Mato Grosso do Sul, que faz fronteira a leste com o Paraguai, ocorre após a disponibilidade de gado no Brasil diminuir nos últimos meses, devido à forte demanda das processadoras de carne.

Mas a Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul) e a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), que representam pecuaristas nos respectivos Estados, disseram se opor à medida, pois poderia comprometer o status sanitário do gado produzido no Brasil, que possui o maior rebanho comercial do mundo.

Os dois Estados possuem cerca de 51 milhões de cabeças de gado, o que corresponde a quase 24% do rebanho total do Brasil, segundo dados do governo.

Embora Brasil e Paraguai sejam considerados livres de febre aftosa com vacinação, segundo a Organização Mundial da Saúde Animal, a Acrissul e a Acrimat disseram à Reuters que garantir o status sanitário do gado importado do Paraguai seria um desafio.

O Sindicato das Indústrias de Frios, Carnes e Derivados do Estado do Mato Grosso do Sul (Sicadems), que solicitou a autorização para importação, não pôde ser contatado para comentários.

O custo do gado brasileiro aumentou conforme o país, maior exportador mundial de carne bovina, vendeu volumes recordes da proteína a países como a China no ano passado, reduzindo as ofertas e causando uma alta nos preços domésticos do animal.

Matheus Andrade, um consultor de relações internacionais, afirmou que a importação de gado exigiria a emissão de um certificado internacional de saúde animal pelo Ministério da Agricultura.

Esse movimento poderia gerar um precedente, potencialmente abrindo o caminho para a emissão de certificados semelhantes em nome de outros países exportadores de gado, disse ele.

O Ministério da Agricultura não possuía imediatamente comentários sobre a possibilidade de autorizar a importação de gado.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.