Agronegócio

Governo indiano oferece suspensão das reformas agrícolas; setor pode cancelar protestos

Reuters
Reuters

21 de janeiro de 2021 - 15:37 - Atualizado em 21 de janeiro de 2021 - 15:40

Por Mayank Bhardwaj

NOVA DÉLHI (Reuters) – O governo da Índia ofereceu na quarta-feira a suspensão da implementação de três novas leis agrícolas que desencadearam os maiores protestos de agricultores em anos, que, segundo líderes sindicais, há possibilidade de terminar.

A principal entrave da reforma, introduzida em setembro, permite que compradores privados negociem diretamente com os produtores.

Agricultores furiosos, que dizem que isso tornará os mercados atacadistas tradicionais da Índia irrelevantes e os deixará à mercê de grandes varejistas e processadores de alimentos, acamparam nas principais rodovias fora de Nova Délhi por mais de dois meses.

O ministro da Agricultura do país, Narendra Singh Tomar, disse que o governo está aberto a suspender as leis por até 18 meses, período durante o qual os representantes do governo e os agricultores devem trabalhar para “fornecer soluções” para a indústria.

As negociações bilaterais até agora não conseguiram resolver o impasse –colocando o primeiro-ministro Narendra Modi em um de seus desafios mais significativos desde que foi reeleito em 2019.

A próxima rodada de negociações está marcada para sexta-feira, e o líder rural Dharmendra Malik disse que os sindicatos informariam ao governo se aceitariam a oferta e cancelariam os protestos.

O governo foi “simpático às preocupações dos agricultores e está tentando acabar com o impasse”, disse ele, agradecendo-os por manterem “paz e disciplina” durante os protestos.

Agricultores planejam um protesto de tratores em Nova Délhi em 26 de janeiro, Dia da República da Índia, que a Suprema Corte recusou na quarta-feira uma petição do governo para proibir.

(Reportagem adicional de Suchitra Mohanty e Nigam Prusty)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.