Agronegócio

Geosys vê quebra de 7,8% para milho do Brasil; menor produtividade em 11 anos no PR

Reuters
Reuters

9 de junho de 2021 - 16:37 - Atualizado em 9 de junho de 2021 - 16:40

SÃO PAULO (Reuters) – A seca reduziu a produção brasileira de milho 2020/21 para 94,15 milhões de toneladas, de acordo com levantamento divulgado nesta quarta-feira pela Geosys Brasil, empresa de sensoriamento remoto por satélite que vê quebra de 7,8% ante o total previsto no início do ano.

A Geosys disse ainda que, com início de “plantio conturbado” por causa do alongamento da safra de soja devido a questões climáticas, poucas áreas de milho segunda safra puderam iniciar a colheita nesses primeiros dias de junho, caso de algumas regiões de Mato Grosso e Paraná.

Boa parte do plantio foi realizado em março, período considerado fora da janela climática ideal, uma situação agravada pelo clima mais seco que tem levado integrantes do mercado a reduzirem suas projeções.

“No Paraná (segundo produtor brasileiro), o índice de vegetação ficou em patamar baixo durante todo o ciclo do milho safrinha, devido à forte seca dos últimos meses… Mesmo as boas chuvas dos últimos dias em algumas regiões do Estado não devem ser suficientes para recuperar as lavouras”, disse o analista de cultura da Geosys Felippe Reis.

A estimativa é de que a produção do Paraná seja de 8,55 milhões de toneladas de milho segunda safra, com a menor produtividade dos últimos 11 anos no Estado.

Mato Grosso do Sul e Minas Gerais também devem ter quebras maiores. Em Goiás e no Mato Grosso, por exemplo, a baixa produtividade também deverá ocorrer, mas em determinadas regiões.

Em Mato Grosso do Sul, a umidade do solo tem aumentado desde os últimos dez dias de maio, mas “parece ter sido tarde demais para que houvesse uma recuperação das lavouras”, disse Felippe.

Atualmente, a estimativa da Geosys é de que a produção de Mato Grosso do Sul seja de 6,96 milhões de toneladas, com a menor produtividade em uma década.

Em Minas Gerais, a seca teve um forte impacto nas lavouras da região do Triângulo Mineiro, onde estão os municípios de Uberlândia, Uberaba e Campina Verde.

A estimativa da Geosys Brasil é de que em Minas Gerais, a produção de milho na safra de inverno seja de apenas 1,96 milhão de toneladas.

Já no coração da produção de milho “safrinha” de Mato Grosso, entre as cidades de Lucas do Rio Verde, Sorriso, Sinop e Nova Mutum (região da BR-163, norte do Estado), o índice de vegetação está em patamar satisfatório e, embora tenha tido um início desfavorável, devido ao atraso do plantio, os dados sugerem que “a produção não deverá ser tão decepcionante”.

“A umidade do solo ficou dentro da média durante boa parte de abril e maio, o que sustentou o desenvolvimento das lavouras na região.

Atualmente, a estimativa da Geosys Brasil para a produção de milho em Mato Grosso está em 33,51 milhões de toneladas.

(Por Roberto Samora)