Agronegócio

Exportação de café do Brasil cai 20,3% em maio, mas 2020/21 já é ano recorde

Reuters
Reuters
Exportação de café do Brasil cai 20,3% em maio, mas 2020/21 já é ano recorde
Sacas de café para exportação em Santos (SP)

11 de junho de 2021 - 18:05 - Atualizado em 11 de junho de 2021 - 18:05

SÃO PAULO (Reuters) – As exportações totais de café do Brasil atingiram 2,6 milhões de sacas de 60 kg em maio, queda de 20,3% ante o mesmo mês do ano passado, devido a entraves logísticos, disse o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) nesta sexta-feira, embora o acumulado de 2020/21 já aponte para embarques recordes em uma só temporada.

Segundo a entidade, foram exportados 2,34 milhões de sacas de café verde no mês passado, recuo de 20,5% na comparação anual. O volume foi composto por 2,05 milhões de sacas da variedade arábica, uma retração de 16,5% no ano a ano, e por 287.627 sacas de café robusta, queda de 40,9%.

A receita gerada pelos embarques da commodity em maio totalizou 357,6 milhões de dólares, 13,2% aquém do verificado em igual período de 2020.

Entre os problemas logísticos que atrapalharam as exportações de maio estão, segundo o Cecafé, a falta de contêineres e de espaço nos navios, que já vinham afetando os movimentos nos últimos meses.

O conselho citou ainda adequações que vêm sendo realizadas no processo de modernização da emissão dos certificados de origem da Organização Internacional do Café (OIC).

Apesar do desempenho mais fraco no mês passado, as exportações de café do Brasil no acumulado de 2020/21 já bateram recorde para um único ano-safra, antes mesmo de a temporada (que vai de julho a junho) terminar, destacou o Cecafé.

Entre julho de 2020 e maio deste ano, foram enviados ao exterior 42,5 milhões de sacas, alta de 14,3% frente ao mesmo período da temporada anterior e nova máxima histórica, superando o recorde anterior de 41,4 milhões de sacas do ciclo 2018/19.

A receita cambial com os envios de café ao exterior nos 11 meses da safra 2020/21 totalizou 5,406 bilhões de dólares, maior patamar dos últimos cinco anos e alta de 12,8% no ano a ano, acrescentou a entidade.

“O volume de exportações tem sido recorde no acumulado da safra, o que reflete uma colheita também recorde em 2020/21 e a altíssima competitividade do café brasileiro no exterior”, disse em nota o presidente do Cecafé, Nicolas Rueda.

“Em maio, só não foi maior por conta dos entraves logísticos relativos à disponibilidade de ‘bookings’ e contêineres, causados por congestionamentos em muitos portos asiáticos e norte-americanos, em função da alta demanda por alimentos e demais produtos nessas regiões ocasionada pela pandemia”, acrescentou.

Os Estados Unidos são o principal mercado importador de café do Brasil e em ascensão, tendo adquirido 3,402 milhões de sacas até este momento do ano, com alta de 2,2% ante igual período de 2020. Na sequência aparece a Alemanha, que recebeu 3,211 milhões de sacas no período (+6,7%).

(Por Gabriel Araujo)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5A18A-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.