Agronegócio

Estoques finais de café do Brasil devem despencar 57% em 2021/22, diz Safras

Reuters
Reuters

10 de junho de 2021 - 11:29 - Atualizado em 10 de junho de 2021 - 11:30

SÃO PAULO (Reuters) – Os estoques finais de café do Brasil na temporada 2021/22 deverão ficar em apenas 2,48 milhões de sacas de 60 quilos, queda de 57% ante as reservas vistas no fim do ciclo anterior, estimou nesta quinta-feira a consultoria Safras & Mercado.

A oferta total do país em 2021/22 foi projetada pela consultoria em 62,33 milhões de sacas de 60 quilos, somando produção e estoques iniciais, queda de 16% no ano a ano.

A produção nacional deve alcançar 56,5 milhões de sacas, 19% a menos que em 2020/21, quando o país colheu uma safra recorde de 69,6 milhões de sacas e deixou estoques iniciais de 5,83 milhões de sacas.

“Nem mesmo a recuperação nos estoques ao final da temporada em 2020/21 foi capaz de atenuar o efeito da quebra da safra brasileira 2021”, disse em nota o consultor da Safras & Mercado Gil Barabach, ao ressaltar que o cenário é de “forte aperto na oferta”.

Ele destacou que a projeção para a safra brasileira 2021 foi prejudicada pelo clima irregular nos primeiros meses deste ano, porém, “o efeito da estiagem em abril e boa parte de maio será melhor captado com o andamento da safra e avanço do beneficiamento”, acrescentou.

Na ponta da demanda, a consultoria estima as exportações brasileiras da temporada 2021/22 em 38,35 milhões de sacas, com diminuição de 18% ante o ciclo anterior.

Do total, as exportações de café verde devem responder por 34 milhões de sacas, recuo de 20% no ano a ano.

“O tombo no fluxo de embarques não será suficiente para conter o recuo em 57% nos estoques… Isso representa uma relação estoque-consumo de 12%, que confirma o aperto e traz preocupação ao abastecimento, explicando a firmeza dos preços.”

COLHEITA

Também nesta quinta-feira, a consultoria disse que a colheita da safra 2021/22 de café chegou a 27% até o dia 8 de junho, um avanço de sete pontos percentuais ante a semana anterior. Os trabalhos estão em linha com o mesmo período do ano passado, mas um pouco atrasados ante a média histórica, de 29%.

Tomando por base a estimativa da Safras para a produção de café do Brasil em 2021/22, de 56,5 milhões de sacas, estariam colhidas 15,52 milhões de sacas até o dia 8 de junho.

Barabach afirmou que os trabalhos ganharam mais ritmo, apesar das chuvas ao longo da última semana. “A colheita do café arábica avançou um pouco mais, mesmo assim, de forma bem compassada. O avanço mais expressivo ficou por conta do conilon”, comentou, em nota.

A colheita de arábica está em 17%, contra 21% em igual época do ano passado e 23% da média histórica para o período. “A primeira impressão da safra vem sendo bastante positiva, tanto em termo de granação como de bebida. Apesar do otimismo inicial, ainda é cedo para traçar um perfil”, pontuou.

Já os trabalhos no conilon alcançam 43% da safra. Embora tenham avançado 12 pontos percentuais em comparação à semana anterior, continuam abaixo dos 44% de igual período do ano passado e aquém dos 48% de média dos últimos cinco anos. 

(Por Nayara Figueiredo; Edição de Luciano Costa)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.