Agronegócio

Esperança de vacina reforça apetite por risco e derruba dólar

Reuters
Reuters

16 de novembro de 2020 - 17:27 - Atualizado em 16 de novembro de 2020 - 17:30

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar começou a semana em queda ante o real, em dia amplamente fraco para a divisa norte-americana em meio ao apetite generalizado por risco depois de novos progressos em vacina contra a Covid-19 alimentarem esperanças de retomada acelerada da atividade econômica global.

O dólar à vista caiu 0,65% nesta segunda-feira, a 5,4400 reais na venda. A moeda oscilou em baixa durante toda a sessão, indo de 5,3643 reais (-2,03%) a 5,4588 reais (-0,30%).

Na B3, o contrato mais líquido do dólar futuro recuava 0,39%, a 5,4405 reais, às 17h19.

O real figurou entre as moedas de melhor desempenho do dia, em lista liderada por rublo russo (+1,8%), rand sul-africano (+1,4%) e coroa norueguesa (+1,1%) –clássicos beneficiados por maior demanda por ativos mais arriscados.

O otimismo deu a tônica depois de a farmacêutica Moderna informar que sua vacina experimental foi 94,5% eficaz na prevenção da Covid-19 com base em dados preliminares de um teste clínico em estágio final, tornando-se a segunda farmacêutica dos Estados Unidos a relatar resultados que excederam as expectativas.

Na semana passada, foi a Pfizer Inc que reportou números encorajadores sobre o desenvolvimento de sua vacina.

A expectativa de que uma vacina seja desenvolvida e distribuída em massa já faz surgirem análises de forte queda global do dólar no ano que vem.

Em relatório nesta segunda-feira, o Citi previu que a ampla distribuição de vacinas para combater a pandemia do coronavírus e o afrouxamento monetário em curso podem fazer com que o dólar norte-americano enfraqueça até 20% no próximo ano em âmbito global.

Nesse contexto, ganha corpo a avaliação de que o real tem potencial para apreciação, com a moeda brasileira já sendo considerada pelo Deutsche Bank a divisa mais barata dentre as principais.

Em outro relatório, o Goldman Sachs projetou que o dólar no mundo pode cair 15% em termos reais entre seu pico de 2020 e o fim de 2024. O banco norte-americano citou que o câmbio na América Latina se coloca como um destaque em termos de espaço para apreciação e que o real é o principal expoente dessa expectativa na região.

Porém, o Goldman voltou a fazer ressalvas do lado fiscal.

“Em suma: embora o real provavelmente esteja entre os melhores desempenhos em um “(muito) bom estado no mundo”, o caso para apostas de alta depende crucialmente de o beta do real em relação a um amplo movimento do dólar compensar sua combinação nada atraente de elevados riscos domésticos e baixo ‘carry’ (retorno de taxa de juros)”, ponderaram os analistas do banco dos EUA.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.