Agronegócio

Dólar supera R$5,50 e bate máximas em dois meses por correção externa

Reuters
Reuters

11 de janeiro de 2021 - 09:52 - Atualizado em 11 de janeiro de 2021 - 09:55

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar começou a semana em forte alta, rompendo uma resistência atrás da outra e superando 5,50 reais, nas máximas em dois meses, reflexo de ajuste negativo em ativos de risco no exterior por temores sobre a pandemia de Covid-19 e a recente alta nos juros de mercado nos Estados Unidos.

Às 9h29, o dólar à vista saltava 1,44%, a 5,4946 reais na venda, depois de alcançar 5,5003 reais (+1,54%) na máxima até o momento.

Na B3, o dólar futuro de primeiro vencimento ganhava 1,31%, a 5,4950 reais. No pico, foi a 5,5030 reais, maior valor desde 13 de novembro.

O dia é de correção em vários ativos de risco, como bolsas, moedas emergentes e petróleo, depois de uma escalada recente que levou as duas primeiras classes de ativos a patamares recordes.

“Após uma primeira semana do ano de forte valorização, a sessão desta segunda-feira é de queda para as principais bolsas internacionais. Além de um movimento natural de realização, investidores monitoram a aceleração dos casos de coronavírus e a reta final do governo Trump”, disse o BTG Pactual digital.

O número global de casos de Covid-19 ultrapassou 90 milhões, segundo contagem da Reuters, com os Estados Unidos contabilizando recordes de mortes diárias e variantes descobertas inicialmente no Reino Unido e na África do Sul se espalhando rapidamente.

O índice do dólar frente a uma cesta de moedas tinha alta de 0,21%, para 90,496, dando sequência à correção dos últimos dias. A moeda saltava entre 0,8% e 1,2% contra peso mexicano, rand sul-africano e lira turca, pares do real.

O índice já subiu 1,5% em cinco dias, desde que bateu uma mínima em quase três anos. O rali coincidiu com um salto nos rendimentos dos Treasuries –títulos do Tesouro norte-americano–, influenciado por expectativas de que mais liquidez possa gerar inflação.

“Se essa abertura de taxas ganhar velocidade e magnitude, a história pode mudar de figura e se tornar negativa para ativos de risco. Isso ainda não ocorreu e pode não ser o cenário-base. Todavia, juros mais altos criam uma restrição à queda do dólar”, disse Dan Kawa, sócio da TAG Investimentos.

(Por José de Castro)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.