Agronegócio

Dólar sofre virada e salta 1% com temor fiscal doméstico

Reuters
Reuters

21 de janeiro de 2021 - 13:20 - Atualizado em 21 de janeiro de 2021 - 13:25

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O mercado de câmbio sofreu uma reviravolta nesta quinta-feira e o dólar saltava mais de 1%, depois de cair na mesma intensidade pela manhã, com analistas voltando a citar riscos fiscais em meio à percepção de desorganização no enfrentamento da pandemia.

O dólar havia caído 1,49% na mínima de mais cedo, influenciado pelo ambiente externo positivo e pela leitura de que o Banco Central se encaminha para subir a Selic.

Mas a moeda passou a ganhar tração perto das 11h e, pouco depois de 12h30, bateu a máxima do dia –de 5,3783 reais, em alta de 1,27%.

Às 12h56, o dólar spot subia 1,04%, a 5,3662 reais na venda.

Outros mercados brasileiros também pioraram o sinal. O Ibovespa caía 1,3%, voltando à casa de 118 mil pontos, e os juros futuros saltavam cerca de 16 pontos-base.

Profissionais comentaram que declarações do candidato à presidência do Senado Federal Rodrigo Pacheco (DEM-MG) de que haverá discussão sobre nova ajuda a famílias na primeira semana do novo comando do Congresso e de que será preciso sacrifício de premissas econômicas para manter o socorro pressionaram os ativos financeiros.

Pacheco é apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro.

O agravamento da pandemia em meio à percepção de desorganização no governo tem tido efeitos sobre a popularidade do presidente Bolsonaro e, por sua vez, alimentado temores no mercado de criação de mais despesas –o que ameaçaria o teto de gastos, visto pelo mercado como âncora fiscal do país.

“As apostas contra o real estão aumentando nos mercados spot e futuro. Ninguém quer pegar o Brasil, até porque não tem nenhuma regra que oriente a política fiscal”, disse um profissional de um grande banco estrangeiro.

Esse profissional comentou que mesmo a interpretação do comunicado do Copom tem sido dispersa entre analistas. Segundo ele, há quem tenha entendido que o Bacen, por não aumentar o juro agora nem sinalizar alta na reunião de março, “vai incorrer no risco de mais depreciação do real”.

O real saiu do melhor desempenho global da sessão para ocupar a ponta de baixo, descolando da grande maioria de seus pares, enquanto o índice do dólar recuava 0,26%. Investidores apostam que um grande pacote de estímulo nos EUA sob o governo Joe Biden e o apoio dos bancos centrais globais amortecerão danos econômicos causados pelo choque do coronavírus.

(Por José de Castro)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.