Agronegócio

Dólar fecha em queda após superar R$5,77 com alívio sobre PEC Emergencial; BC volta a atuar

Reuters
Reuters

3 de março de 2021 - 17:44 - Atualizado em 3 de março de 2021 - 17:45

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O mercado de câmbio sofreu uma reviravolta nesta quarta-feira, com o dólar fechando em ligeira queda e na casa de 5,66 reais, depois de operar em alta ao longo de toda a sessão e superar 5,77 reais. Investidores acionaram expressivas ordens de vendas na reta final dos negócios, após o presidente da Câmara garantir que o Congresso não permitirá furo do teto de gastos.

Especulações de que seriam apresentadas emendas para deixar o Bolsa Família fora do teto de gastos aumentaram a pressão sobre o mercado desde o fim da manhã, o que fez o Banco Central anunciar dois leilões de swap cambial tradicional, os quais resultaram em injeção líquida de 2 bilhões de dólares nos mercados futuros de câmbio.

Em cinco pregões, o BC já despejou no mercado o equivalente a 7,175 bilhões de dólares em valores somados de intervenções nos mercados spot e futuro.

Ainda assim, o dólar seguiu em alta, com o real revezando com a lira turca a vice-lanterna do dia –o peso mexicano liderava as perdas nos mercados globais de câmbio.

Por volta de 16h30, a moeda norte-americana repentina e expressivamente passou a reduzir os ganhos, conforme circulavam nas mesas operação informações de que o Bolsa Família seguiria sob o teto de gastos. Às 16h44 veio a pá de cal sobre o dólar, depois de o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), dizer que o Congresso votará PECs “sem nenhum risco ao teto de gastos”.

Além disso, o relator da PEC Emergencial, senador Marcio Bittar (MDB-AC) apresentou complementação de voto nesta quarta-feira em que acata sugestões de colegas e fixa limite de 44 bilhões de reais para montante de auxílio que poderá ser excepcionalizado das regras fiscais em 2021.

O mercado vinha há dias temendo que o Senado optasse por votar uma PEC Emergencial muito mais desidratada e fatiada, o que, somado a atitudes recentes do presidente Jair Bolsonaro em relação a empresas estatais, inflou temores de uma guinada da política econômica para fora da responsabilidade fiscal e de autonomia na gestão de Petrobras e Banco do Brasil, entre outras empresas.

No fim da agitada sessão, o dólar à vista mostrou variação negativa de 0,07%, a 5,6624 reais na venda. Na máxima, alcançada pouco depois das 13h, a cotação saltou 1,89%, para 5,7732 reais, nos picos desde novembro do ano passado.

Ainda na última hora de negócios, investidores analisaram informação de que o governo federal vai assinar um contrato com a Pfizer para comprar vacinas do laboratório para a imunização contra Covid-19.

“Enfim, uma boa notícia. Com muito atraso e a um custo de muitas vidas perdidas que poderiam ser evitadas”, disse Thomaz Sarquis, economista da Eleven Financial Research.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.