Agronegócio

Dólar cede terreno ante real; investidores digerem Copom e Fed

Reuters
Reuters

17 de junho de 2021 - 10:52 - Atualizado em 17 de junho de 2021 - 10:55

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar passava a cair contra o real nesta quinta-feira, depois de ter avançado mais cedo, com os investidores digerindo a decisão do Banco Central de levar a taxa Selic a 4,25% ao ano e abandonar o uso da expressão “normalização parcial” da política monetária.

Os investidores repercutiam ainda a sinalização do Federal Reserve de que pode começar a elevar os juros a um ritmo mais rápido do que o esperado.

Às 10:50, o dólar recuava 0,50%, a 5,0308 reais na venda, enquanto o dólar futuro negociado na B3 tinha baixa de 0,42%, a 5,039 reais.

Em pouco mais de uma hora e meia de negociações, a divisa norte-americana à vista foi de 5,0763 reais na máxima, alta de 0,4%, para 5,0202 reais na mínima, queda de 0,71%.

O Banco Central do Brasil promoveu a terceira alta consecutiva de 0,75 ponto percentual da taxa básica de juros na quarta-feira, levando a Selic a 4,25%, e anunciou a intenção de dar sequência ao aperto monetário com uma nova alta de pelo menos a mesma magnitude em sua próxima reunião, em agosto.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC também abandonou o uso da expressão “normalização parcial” para se referir ao atual ciclo de alta de juros, explicitando que pretende fazer um aperto maior do que vinha sendo sinalizado até então, levando a Selic para patamar considerado neutro.

“Quando os juros domésticos estão mais baratos, o prêmio pago ao investidor é mais barato, é natural que haja fuga de capital, e o dólar se fortalece” disse à Reuters Stefany Oliveira, analista da Toro Investimentos. “Agora, quando acontece o contrário, e os juros sobem, o que tende a acontecer é um desconto na moeda norte-americana em relação ao real.”

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve antecipou para 2023 suas projeções para o primeiro aumento nos juros pós-pandemia e abriu a discussão sobre quando e como pode ser apropriado começar a reduzir suas compras mensais de ativos.

“Na reunião anterior, as expectativas não indicavam elevação antes de 2024”, ressaltaram em nota analistas da XP Investimentos, acrescentando que os mercados interpretaram o comunicado que acompanhou a decisão do Fed como mais duro em relação à política monetária.

Na esteira dessa notícia, o índice do dólar contra uma cesta de rivais fortes avançava nesta quinta-feira, e chegou a tocar seu patamar mais elevado desde 13 de abril. Peso mexicano, peso chileno, lira turca e rand sul-africano, alguns dos principais pares do real, registravam perdas contra a divisa norte-americana nesta manhã.

Ainda assim, Oliveira, da Toro, disse que o cenário ainda parece benigno para o real, principalmente devido ao tom mais hawkish do BC local: “ainda há espaço para correção para baixo do dólar.”

A moeda norte-americana à vista teve alta de 0,29% na quarta-feira, a 5,0562 reais na venda, mas chegou a tocar 4,9926 reais na mínima intradiária, queda de 0,97%.

A última vez que o dólar fechou um pregão abaixo dos 5 reais foi em 10 de junho de 2020 (4,9398).

(Edição de Camila Moreira)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.