Agronegócio

Dólar cai 1% com otimismo externo em penúltima sessão do ano

Reuters
Reuters
Dólar cai 1% com otimismo externo em penúltima sessão do ano
Notas de real e dólar fotografadas em São Paulo (SP)

29 de dezembro de 2020 - 17:31 - Atualizado em 29 de dezembro de 2020 - 17:35

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar fechou em queda de mais de 1% ante o real nesta terça-feira, mais do que devolvendo a alta da véspera, pressionado pelo otimismo global sobre mais estímulos em meio a expectativas de reabertura econômica diante do início de campanhas de vacinação em vários países.

O dólar à vista caiu 1,10%, a 5,1827 reais na venda, depois de subir 0,66% na segunda-feira. A moeda oscilou nesta terça entre 5,248 reais (+0,14%) e 5,1652 reais (-1,44%).

O dólar caía ante 27 de 33 de seus principais rivais, com o real liderando o desempenho positivo na sessão.

O índice do dólar –que mede o desempenho da divisa norte-americana contra seis pares– perdia 0,28% no fim da tarde, não distante das mínimas em mais de dois anos e meio atingidas menos de duas semanas atrás.

Investidores voltaram as atenções para Washington, em busca de sinais de que um pacote de estímulo aumentado será aprovado pelo Senado norte-americano.

A massiva liquidez injetada por governos e bancos centrais globais e a expectativa de mais estímulos no governo de Joe Biden a partir de 2021 ajudaram a deflagrar um rali de ativos de risco desde o começo de novembro. O real avança 11,2% desde então, enquanto um índice de moedas emergentes ganha 3,3%.

Ainda assim, o real ainda amarga o segundo pior desempenho global em 2020, com queda nominal ante o dólar de 22,57%, à frente apenas do combalido peso argentino, que recua 28%. A moeda brasileira foi pressionada neste ano pela queda dos juros e, sobretudo, pelas incertezas de ordem fiscal, num ano de fortes gastos para combate à pandemia.

Veja a variação nominal das moedas em relação ao dólar em 2020. Os números são da Refinitiv.

“A falta de empenho e coesão da base aliada do governo na Câmara com relação à agenda fiscalista mostrou como o início dos trabalhos no ano que vem ameaça incrementar o risco de descumprimento do teto de gastos”, disse Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos.

Várias medidas indicam que o real segue em forte desalinhamento em relação ao que seria seu valor “justo”. E, segundo analistas, esse “gap” deverá persistir em 2021, ainda que eventualmente em menor nível.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.