Agronegócio

Dólar acompanha exterior e avança contra real com PEC Emergencial no radar

Reuters
Reuters

12 de março de 2021 - 11:02 - Atualizado em 12 de março de 2021 - 11:05

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar era negociado em alta contra o real na manhã desta sexta-feira, devolvendo parte das fortes perdas registradas na véspera, à medida que acompanhava a força da moeda norte-americana no exterior, enquanto os investidores reagiam à conclusão da votação da PEC Emergencial na Câmara dos Deputados.

Às 10:59, o dólar avançava 0,33%, a 5,5593 reais na venda, enquanto o contrato mais líquido de dólar futuro subia 0,36%, a 5,563 reais.

Esse movimento estava em linha com o comportamento da moeda norte-americana no exterior, que subia mais de 0,4% contra uma cesta de rivais fortes. Pares emergentes do real, como peso mexicano, lira turca e rand sul-africano, apresentavam quedas acentuadas contra o dólar nesta manhã.

A demanda global pelo dólar era reflexo dos rendimentos dos títulos, que voltaram a subir nesta sexta-feira após a aprovação de um pacote de estímulo trilionário em resposta à Covid-19 nos Estados Unidos, em meio a apostas cada vez maiores numa aceleração da inflação na maior economia do mundo.

Os rendimentos de dez anos dos Treasuries voltaram a superar 1,60% no início das negociações europeias, aproximando-se das máximas em um ano atingidas na semana passada.

“A volatilidade no mercado de juros deve continuar com as perspectivas de reabertura econômica, especialmente após aprovação do pacote de estímulos”, disse em nota a XP Investimentos.

“Na Zona do Euro, a presidente Christine Lagarde afirmou ontem que o Banco Central Europeu (BCE) pode aumentar o ritmo de compra de títulos, se o aumento dos juros dos títulos comprometer a estabilidade financeira. O mercado se pergunta se o Fed dos EUA também se moverá nessa direção. Até agora, nenhuma sinalização, pressionando a elevação dos juros dos Treasuries”, completou.

Enquanto isso, no Brasil, a Câmara dos Deputados concluiu na madrugada desta sexta-feira a votação da PEC Emergencial, e uma análise da consultoria da Casa deve recomendar a promulgação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) sem a necessidade de retorno ao Senado.

A PEC estabelece condições para a concessão do auxílio emergencial aos vulneráveis atingidos pela pandemia de Covid-19 em um montante de até de 44 bilhões de reais por fora das regras fiscais em 2021, e também traz gatilhos a serem acionados para conter despesas públicas.

Essa notícia vem em um momento de persistentes incertezas fiscais no país, fator que, segundo analistas, é um dos principais responsáveis pela alta de mais de 7% acumulada pelo dólar frente ao real até agora em 2021.

“O cenário fiscal aqui é muito complicado, mas o ponto é não piorá-lo”, disse à Reuters Otávio Aidar, estrategista-chefe e gestor de moedas da Infinity Asset. “A ajuda para a população vulnerável é correta e necessária, mas tem que ser bem feita. Há que ter cuidado” com as circunstâncias fiscais, comentou.

Ele chamou a atenção para a fraqueza do real em relação a seus pares emergentes, após a divisa apresentar o pior desempenho global contra o dólar no ano passado e ficar, até agora, entre as moedas que mais perderam no acumulado de 2021.

“Neste ano, de novo estamos como um dos campeões de depreciação. Por piores que estejam nossos fundamentos, a nossa moeda vem destoando”, afirmou. Segundo ele, os níveis atuais do real estão exagerados, não condizentes com a realidade da economia brasileira.

O dólar caminhava para fechar a semana em queda de cerca de 2,4% contra o real, mesmo após chegar a se aproximar dos 5,88 reais nas máximas intradiárias de terça-feira, depois que os mercados reagiram à decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin de anular condenações impostas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na quinta-feira, a moeda norte-americana à vista fechou o pregão em queda de 2,00%, a 5,5412 reais na venda.

O Banco Central fará nesta sexta-feira nova oferta líquida de contratos de swap cambial tradicional, disponibilizando até 750 milhões de dólares nesses derivativos. O lote de até 15 mil contratos de swap será distribuído entre os vencimentos 1º de junho de 2021 e 1º de dezembro de 2021.

A autarquia ainda realizará leilão de swap tradicional para rolagem de até 13.610 contratos com vencimento em junho e dezembro de 2021.