Agronegócio

CORREÇÃO-Dólar se estabiliza após susto com reforma tributária

Reuters
Reuters

29 de junho de 2021 - 10:00 - Atualizado em 29 de junho de 2021 - 10:00

(Corrige matéria de segunda-feira para esclarecer no 2º parágrafo que o dólar à vista caiu, não subiu)

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar fechou em leve queda ante o real nesta segunda-feira, depois de oscilar entre ganhos e perdas na sessão, com investidores ainda digerindo a segunda etapa da reforma tributária, mas evitando grandes movimentações à espera de dados de emprego nos EUA nesta semana.

O dólar à vista caiu 0,16%, a 4,9288 reais, após variar entre 4,9732 reais (+0,72%) e 4,9179 reais (-0,40%).

Na B3, o dólar futuro de primeiro vencimento, ainda o mais líquido, caía 0,23%, a 4,9245, às 17h19, com pouco mais de 216 mil contratos negociados até então. Nesse patamar, o giro caminha para ser o menor desde 24 de maio.

O mercado operou nesta segunda sem grandes catalisadores, com o movimento externo tampouco dando sinal definitivo sobre os preços, conforme investidores entraram em modo de espera por dados do mercado de trabalho dos EUA a serem divulgados no fim da semana.

Lá fora, o índice do dólar tinha alta de 0,15%. Em Nova York, os índices de ações S&P 500 e Nasdaq terminaram em máximas recordes. [.NPT]

Aqui, o mercado se estabilizou depois do susto da sexta-feira, quando o governo divulgou a segunda etapa de reforma tributária –que desagradou a boa parte do mercado por, segundo algumas análises, implicar aumento de impostos.

Na sexta, o dólar chegou a subir 1,40%, antes de fechar com valorização de 0,64%. O Ibovespa, que sofreu um tombo no fim da semana passada sob impacto do noticiário da reforma, subiu 0,14% nesta segunda, também estabilizando-se.

De forma geral, analistas seguem com visão mais benigna para o câmbio no Brasil, o que tem sido em parte compartilhado por investidores estrangeiros.

O Morgan Stanley relatou aumento de alocação em real na América Latina, junto com outras moedas. “A curva de juros em reais não é mais um fator de venda de real, após a sequência de altas promovidas pelo BCB nos últimos meses”, disseram estrategistas do banco em nota.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.