Agronegócio

Contratação de crédito rural no Brasil sobe 22% no acumulado de 2020/21, para R$169,4 bi

Reuters
Reuters

7 de abril de 2021 - 15:39 - Atualizado em 7 de abril de 2021 - 15:40

SÃO PAULO (Reuters) – O valor das contratações de crédito rural no Brasil, no âmbito do Plano Safra, somou 169,44 bilhões de reais entre julho de 2020 e março de 2021, alta de 22% ante igual período da temporada anterior, informou o Ministério da Agricultura nesta quarta-feira.

Desse montante, 90,77 bilhões de reais foram destinados para custeio, um avanço de 18% na comparação anual, enquanto os aportes para investimentos saltaram 43%, a 53,39 bilhões de reais, disse a pasta.

Houve ainda um aumento de 7% nas contratações para industrialização, que chegaram a 9,77 bilhões de reais. Já os créditos para comercialização recuaram 3%, para 15,51 bilhões de reais.

O ministério destacou em nota que as contratações realizadas por pequenos e médios produtores, por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor (Pronamp), atingiram o maior volume já observado para este período da safra.

No total, os créditos concedidos pelos programas chegaram a 47,1 bilhões de reais, um aumento de 11,2% na comparação ano a ano, com altas de 17% no Pronaf e 5% no Pronamp.

“Os demais produtores aumentaram acentuadamente sua demanda de crédito para investimentos (61%), sendo que para os pequenos e médios produtores ela se situou, respectivamente, em 8% e 0,2%”, afirmou o ministério.

Para o diretor do Departamento de Crédito e Informação do ministério, Wilson Vaz de Araújo, a maior demanda por créditos para investimentos “resulta do bom desempenho do setor agropecuário, evidenciado pelo aumento de suas exportações em 2020 e no início de 2021”.

Ele também citou as expectativas de que a safra de grãos atinja 272,3 milhões de toneladas, conforme projeção da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e que o valor bruto da produção (VBP) supere 1 trilhão de reais neste ano.

A pasta chamou atenção ainda para um crescimento de 32% na utilização relativa de recursos em fontes não controladas, impulsionada por emissões de Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs), que saltaram 30%, e por recursos livres (+78%). Essas medidas costumam ser utilizadas pelos grandes produtores.

(Por Gabriel Araujo)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.