Agronegócio

Colheita de soja 2020/21 no Brasil atinge 0,7% da área com atraso e chuvas, diz AgRural

Reuters
Reuters

25 de janeiro de 2021 - 12:03 - Atualizado em 25 de janeiro de 2021 - 12:05

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) – A colheita de soja 2020/21 no Brasil alcançou 0,7% das áreas até 21 de janeiro, informou a consultoria AgRural nesta segunda-feira citando um atraso em relação ao mesmo período da temporada anterior, quando os trabalhos haviam alcançado 4,2%.

No comparativo semanal, o avanço foi de apenas 0,3 ponto percentual, disse a consultoria, visto que o amplo volume de chuvas em grande parte das áreas produtoras da oleaginosa tem travado o avanço da colheita.

“As chuvas constantes, com poucas aberturas de sol, o céu encoberto e a baixa luminosidade dificultam a colheita das primeiras áreas e tendem a atrasar a safra ainda mais, pois afetam a fisiologia da soja e podem alongar o ciclo da cultura em alguns dias caso o padrão mais chuvoso continue”, alertou.

Por outro lado, as precipitações são benéficas para as lavouras plantadas mais tarde, após a seca do início da temporada, e que ainda estão em desenvolvimento.

“Com poucas lavouras já prontas devido ao atraso no plantio, essas precipitações favorecem a produtividade da safra, beneficiando as áreas em floração e enchimento de grãos”, afirmou a AgRural em nota.

De acordo com a expectativa da consultoria, o Brasil –maior produtor e exportador de soja– deve colher 131,7 milhões de toneladas em 2020/21. A projeção é mais cautelosa em relação à média de analistas ouvidos pela Reuters em pesquisa divulgada na última sexta-feira, que indica produção de 132,2 milhões de toneladas.

No entanto, a AgRural admite que ainda pode elevar sua estimativa. “Caso o clima continue colaborando com as lavouras mais tardias, a revisão de fevereiro poderá trazer ajustes positivos de produtividade no Rio Grande do Sul e no Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia)”, afirmou.

A consultoria também disse que, por conta do atraso da soja, ainda não há plantio significativo de milho segunda safra. 

Em Mato Grosso, Estado onde os trabalhos de colheita foram iniciados, o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) disse na sexta-feira que as primeiras lavouras de milho safrinha foram semeadas, atingido 1,01% da área projetada.

No mesmo período da safra passada, o plantio do cereal em Mato Grosso estava em 9,82%, pouco acima da média de cinco anos para esta época, de 9,59%, segundo o Imea.

(Por Nayara Figueiredo)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.