Agronegócio

Chuvas limitam avanço da colheita de soja do Brasil, diz Datagro

Reuters
Reuters
Chuvas limitam avanço da colheita de soja do Brasil, diz Datagro
Ameaça de chuva em lavoura de soja em Tocantínia (TO)

18 de fevereiro de 2021 - 13:35 - Atualizado em 18 de fevereiro de 2021 - 13:35

SÃO PAULO (Reuters) – A colheita brasileira de soja na temporada 2020/21 havia atingido 9,1% até a última sexta-feira, com atraso ante a média histórica após problemas no plantio e também avançando mais lentamente devido a chuvas, apontou nesta quinta-feira a consultoria Datagro.

De uma semana para a outra, houve um aumento de 4,7 pontos percentuais, enquanto na média dos últimos cinco anos o avanço normal nesse período seria de 6,6 pontos.

A colheita segue muito abaixo dos 21,4% de igual período de 2020, e dos 19,7% da média dos últimos cinco anos.

“Além do já esperado atraso por conta do plantio mais lento na temporada, as chuvas vêm acontecendo de forma regular em praticamente toda a área produtora, mantendo os trabalhos limitados às poucas janelas de melhora do clima”, disse o coordenador de Grãos da Datagro, Flávio Roberto de França Junior, em nota.

Com pouca soja em estoques, o mercado observa atentamente o desenvolvimento da colheita para que exportações projetadas possam ser viabilizadas em fevereiro.

Apesar de alguns problemas localizados, as condições gerais da safra estão satisfatórias em grande parte das regiões produtoras e “o país caminha para a colheita de outra safra cheia e, muito provavelmente, recorde”.

As regiões que chegaram a observar um pouco de estiagem, como no noroeste de Minas Gerais, Bahia, Maranhão e Piauí, voltaram a observar precipitações, com normalização das condições, disse a Datagro.

A previsão para esta nova semana segue predominantemente chuvosa para a região central e do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), o que favorece as lavouras tardias, mas pode trazer problemas para a colheita.

Já o clima ao sul do Brasil, incluindo áreas de São Paulo e sul do Mato Grosso do Sul, deve ficar mais seco nos próximos dias, permitindo que a colheita avance normalmente, notou a consultoria.

Áreas ao norte do país deverão receber volumes importantes de chuvas nos próximos dias, acima da média histórica em algumas regiões, segundo dados Refinitiv, o que pode trazer alguns transtornos para a colheita. (https://amers2.apps.cp.thomsonreuters.com/cms/?pageid=awd-br-forecast-analysis-maps-gfsop-degc&hour=6&date=20210218)

MILHO

No milho de verão, a colheita avançou um pouco melhor e ainda se encontra em ritmo superior ao normal, puxada basicamente pelo avanço nos Estados do Sul.

Na média da região Centro-Sul, a colheita atingiu 20,6%, ante 14,6% na semana passada, pouco acima dos 17,8% no mesmo período da temporada anterior e dos 15,5% da média dos últimos cinco anos.

A safra teve perdas significativas no Rio Grande do Sul e Santa Catarina pela falta de chuvas entre setembro e novembro.

O plantio do milho da safra de inverno na região centro-sul do Brasil está bastante lento, refletindo atrasos da soja.

Segundo levantamento da Datagro, apenas 11,8% da área nacional havia sido semeada até 12 de fevereiro, contra 3,6% da semana anterior.

O fluxo está bem atrás dos 31,7% de 2020 e dos 30,3% da média dos últimos cinco anos.

“Mesmo com uma janela de plantio mais apertada, ainda é possível esperar uma safra expressiva, caso o clima permita primeiro a semeadura, e depois garanta umidade até março/abril”, afirmou França Junior.

(Por Roberto Samora)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1H1E5-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.