Agronegócio

CEO da ADM vê temor com segurança alimentar por pandemia; destaca compras do Brasil

Reuters
Reuters

30 de outubro de 2020 - 14:16 - Atualizado em 30 de outubro de 2020 - 14:20

Por Tom Polansek

CHICAGO (Reuters) – A pandemia da Covid-19 está aumentando a preocupação de governos com a segurança alimentar, e pela primeira vez em muito tempo vários países precisam de ofertas de soja e milho dos Estados Unidos para atender às demandas, disse o presidente-executivo da Archer Daniels Midland, Juan Luciano, nesta sexta-feira.

A pandemia afetou as cadeias de oferta de todo o mundo, à medida que alguns consumidores estocam alimentos e o vírus ameaça as operações de processamento em caso de os trabalhadores contraírem a doença.

“Você vê governos mais preocupados com a segurança alimentar agora, e com a capacidade de continuar fornecendo alimentos para o mundo”, disse Luciano em uma conferência após a divulgação dos resultados trimestrais da empresa.

A ADM, uma importante trading global de grãos, pode se beneficiar do aumento das preocupações, pois seus operadores e exportadores conectam regiões que possuem oferta em excesso àquelas que enfrentam déficits, afirmou Luciano.

O executivo disse ainda que o Brasil, maior produtor e exportador de soja do mundo, está entre os países que estão importando alimentos, incluindo a oleaginosa. Alguns dos fornecedores são Uruguai e Paraguai, parceiros comerciais do Mercosul.

Luciano afirmou que o Brasil esgotou seus estoques de soja e enfrenta um ambiente de inflação nos preços domésticos.

Na véspera, o presidente Jair Bolsonaro chamou a atenção para importações do país em um ambiente de baixa oferta após fortes exportações.

Os comentários foram feitos em meio a informações de mercado não confirmadas de que o Brasil importou soja dos EUA.

Enquanto isso, os agricultores da Argentina, onde a moeda é muito volátil, têm pouco incentivo para vender sua produção, disse Luciano, o que coloca os EUA na posição de fornecedor fundamental.

“Pela primeira vez em muito tempo, o mundo precisa da oferta tanto de soja quanto de milho dos EUA”, afirmou o executivo.

O governo da China está discutindo emitir para o ano que vem cotas para importações adicionais de milhões de toneladas de milho, conforme noticiou a Reuters, em meio a uma disparada na demanda por ração animal.

“Hoje, o mundo está apertado… Há uma grande demanda da China”, disse Luciano.

A ADM hibernou a produção de duas usinas de etanol de milho nos EUA neste ano, uma vez que a pandemia reduziu a demanda por gasolina. As instalações permanecerão hibernadas no inverno (do Hemisfério Norte), mas podem ser retomadas no primeiro semestre de 2021, acrescentou o diretor financeiro da empresa, Ray Young.

Em outras unidades, a ADM aumentou a produção de álcool para a fabricação de higienizadores de mãos.

(Reportagem adicional de Roberto Samora, em São Paulo)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.