Agronegócio

Carvalhaes cita número não desprezível de cafezais atingidos por geadas

Reuters
Reuters
Carvalhaes cita número não desprezível de cafezais atingidos por geadas
Geada atinge cafezais no Brasil

5 de julho de 2021 - 12:33 - Atualizado em 5 de julho de 2021 - 12:35

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) – O Escritório Carvalhaes, tradicional corretora de café de Santos, citou em boletim semanal relatos “de um número não desprezível de cafezais atingidos” pelas geadas da semana passada em áreas produtoras do Brasil.

“Circularam muitas fotos e depoimentos pela internet, mas ainda não se tem um relatório confiável da extensão dos danos. É preciso aguardar o levantamento dos agrônomos para termos a extensão dos estragos nos cafezais pela massa de ar polar”, disse Carvalhaes, em boletim divulgado por email nesta segunda-feira.

A semana passada foi marcada pela passagem de uma forte massa de ar frio, de origem polar, trazendo um acentuado declínio da temperatura em grande parte do país. As geadas afetaram principalmente lavouras de milho e cana, segundo meteorologistas.

Nos canaviais, as perdas ainda estão sendo avaliadas, mas consultorias privadas já divulgaram números preliminares sobre problemas para o milho segunda safra, que já havia sido fortemente castigado pela seca.

As regiões de café no Brasil foram atingidas com mais força nas madrugadas de terça, quarta e quinta-feira.

“A massa de ar polar trouxe temperaturas baixas e geadas pontuais, que queimaram folhas e ponteiros, em diversas áreas produtoras de café do Paraná, São Paulo e sul de Minas Gerais”, disse Carvalhaes.

Para a safra atual, que está sendo colhida, os efeitos das geadas são mínimos, mas há preocupações com a próxima temporada.

“Com certeza houve perdas para a safra 2022 nas propriedades atingidas. A passagem da massa de ar polar é mais um desgaste para os cafezais brasileiros, já debilitados pela seca do segundo semestre do ano passado e do primeiro semestre deste ano.”

Apesar da massa de ar polar, os contratos de café negociados na ICE Futures US, nos EUA, apresentaram uma semana de queda.

“Com Nova York trabalhando em queda no decorrer da semana, em plena passagem de uma forte frente fria sobre os cafezais do Paraná, São Paulo e sul de Minas, o mercado físico brasileiro permaneceu sem vendedores. Continuou o interesse comprador, mas o valor das ofertas recuou, afugentando os cafeicultores”, observou o relatório, destacando que o recuo na bolsa ICE reflete interesses de curto prazo de operadores e especuladores.

“Os fundamentos de alta do mercado continuam robustos, os mesmos que levaram à escalada dos preços nos últimos meses, e apontando para um ano-safra 2021/2022 com dificuldades para o abastecimento do mercado mundial de café”, acrescentou a corretora.

Os estoques brasileiros e mundiais de café são baixos, e apesar da pandemia de Covid-19, o consumo global cresceu 1,9% no ano safra 2020/2021, disse Carvalhaes.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH640KV-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.