Agronegócio

Carga de energia do Brasil deve saltar 12% na comparação anual em maio, prevê ONS

Reuters
Reuters

30 de abril de 2021 - 18:13 - Atualizado em 30 de abril de 2021 - 18:15

SÃO PAULO (Reuters) – A carga de energia do sistema elétrico interligado do Brasil deve ter em maio salto de 12,3% ante mesmo período de 2020, quando o país registrava maiores índices de isolamento social em meio a medidas restritivas associadas à pandemia, projetou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) nesta sexta-feira.

Em boletim com as primeiras previsões para o próximo mês, o ONS apontou que o Sudeste e o Sul, duas regiões de maior demanda, devem ver avanço de 12,1% na carga, mesmo em meio a números de casos de Covid-19 e mortes superiores neste ano.

O maior crescimento na demanda por energia é previsto para o Norte do país, com alta de 13,8% frente a maio de 2020, enquanto no Nordeste a expectativa é de elevação de 12,7%, segundo o órgão do setor de energia.

Em maio do ano passado, a carga elétrica desabou 10,2% na comparação com 2019, diante de medidas duras de isolamento adotadas por Estados e municípios. Em abril, primeiro mês inteiramente sob restrições, a queda havia sido de 11,6%.

CHUVAS, TÉRMICAS

As chuvas na região das hidrelétricas, principal fonte de energia do Brasil, devem ficar em 63% da média histórica para o mês de maio na região Sudeste, onde estão os maiores reservatórios, com o fim do período tradicionalmente de chuvas, que geralmente vai de novembro a março.

Já o Nordeste, segundo em capacidade de armazenamento nas usinas hídricas, deve receber precipitações em 39% da média no próximo mês, enquanto no Sul elas foram estimadas em apenas 26%.

O ONS apontou ainda que o acionamento de termelétricas para complementar o atendimento à demanda está estimado em 4,45 gigawatts médios para a próxima semana, ante 4,7 gigawatts previstos antes para esta semana.

(Por Luciano Costa)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.