Agronegócio

Café robusta toca máxima de 8 meses na ICE; açúcar recua

Reuters
Reuters

26 de agosto de 2020 - 16:24 - Atualizado em 26 de agosto de 2020 - 16:30

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do café robusta negociados na ICE atingiram uma máxima de oito meses nesta quarta-feira, apoiados pela demanda resiliente e por uma diminuição nos estoques certificados pela bolsa, enquanto os preços do açúcar recuaram.

CAFÉ

* O contrato novembro do café robusta fechou em alta de 6 dólares, ou 0,4%, a 1.427 dólares por tonelada, depois de atingir uma máxima de oito meses durante a sessão.

* Operadores citaram fundamentos positivos para o robusta, com estimativas de uma leve queda para a safra 2020/21 do Vietnã, maior produtor global da variedade.

* Eles afirmaram que a mudança de hábitos em favor do consumo doméstico beneficiou a demanda por robusta, e que os estoques certificados pela bolsa têm diminuído. Em 25 de agosto, esses estoques somavam 109.080 toneladas, ante mais de 150 mil toneladas em igual período do ano anterior.

* Os cafés vendidos no varejo costumam ser compostos por uma mistura de arábicas e robustas, enquanto os comercializados em cafeterias utilizam principalmente o arábica. O café instantâneo, muito utilizado no consumo doméstico, é produzido com robusta.

* O café arábica para dezembro recuou 0,85 centavo de dólar, ou 0,7%, para 1,221 dólar por libra-peso, após tocar uma máxima de 20 dias na véspera.

AÇÚCAR

* O contrato outubro do açúcar bruto fechou em queda de 0,18 centavo de dólar, ou 1,4%, a 12,58 centavos de dólar por libra-peso.

* Operadores disseram que falta ao mercado uma tendência geral clara, com a forte produção no Brasil sendo compensada pela fabricação reduzida na Tailândia, União Europeia e Rússia.

* A produção de açúcar do centro-sul do Brasil aumentou 51% na primeira quinzena de agosto, para 3,2 milhões de toneladas, informou nesta quarta-feira a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). [nL1N2FS0YY]

* Um operador nos Estados Unidos disse ver sinais de que a China possa estar chegando a um momento de pausa em sua recente onda de compras de açúcar, citando uma diminuição nos dados de “line-up”. As compras chinesas foram um dos fatores por trás do avanço do açúcar para uma máxima de cinco meses recentemente.

* A consultoria Agritel afirmou que a produção conjunta da União Europeia e Reino Unido deverá atingir 15,98 milhões de toneladas em 2020/21, queda de 7% na comparação anual, com o declínio mais acentuado sendo verificado na França.

* O açúcar branco para outubro recuou 2,80 dólares, ou 0,8%, para 359,50 dólares por tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.