Agronegócio

Café arábica salta 4,5% com clima no Brasil; açúcar bruto também avança

Reuters
Reuters

28 de maio de 2021 - 17:41 - Atualizado em 28 de maio de 2021 - 17:45

Por Marcelo Teixeira e Nigel Hunt

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os preços futuros do café arábica na ICE fecharam em alta de 4,5% nesta sexta-feira, tocando nova máxima de quatro anos e meio com o resultado das colheitas no Brasil prejudicado pelo clima seco. Os preços do açúcar bruto também subiram.

CAFÉ

* Café arábica para julho fechou em alta de 7 centavos de dólar, ou 4,5%, em 1,6235 dólar por libra-peso, após ​alcançar a máxima de quatro anos e meio de 1,6315 dólar, mais cedo na sessão.

* Os operadores afirmaram que o mercado está apoiado pela perspectiva de uma queda significativa na produção no Brasil neste ano, devido a um clima mais seco que o normal e ao ano de baixa no ciclo bienal de produção do país.

* Condições secas também podem reduzir a colheita do próximo ano no maior produtor do mundo, segundo eles.

* “As condições para a maior parte das áreas do café arábica representam um lado negativo de risco (para 2022/23)”, disse a corretora Marex Spectron em um relatório a clientes.

* O governo brasileiro emitiu um alerta de emergência hídrica para o período de junho a setembro, na região que inclui os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. A perspectiva é de baixa precipitação durante o período.

* O café robusta para julho fechou em alta de 66 dólares, ou 4,4%, em 1.583 dólar a tonelada.

AÇÚCAR

* O açúcar bruto para julho fechou em alta de 24 centavos de dólar, ou 1,4%, em 17,36 centavos de dólar por libra-peso, depois de estabelecer uma máxima de duas semanas de 17,69 centavos de dólar.

* Operadores afirmaram que o desconto do primeiro contrato frente ao outubro estava caindo, possivelmente refletindo interesses do mercado em receber entregas quando o contrato de julho expirar no final deste mês.

* A perspectiva de um pequeno excedente global na temporada de 2021/22, entretanto, deve manter um teto sobre os preços.

* O açúcar branco para agosto ​​fechou em alta de 2,10 dólares, ou 0,5%, em 459,60 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.