Agronegócio

Café arábica fecha em queda após tocar máxima de 4 anos na ICE; açúcar também cai

Reuters
Reuters

29 de abril de 2021 - 18:10 - Atualizado em 29 de abril de 2021 - 18:15

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do café arábica negociados na ICE recuaram nesta quinta-feira, devolvendo ganhos após atingirem o maior nível em quatro anos, em meio ao aperto das ofertas no Brasil, sinais de melhora na demanda e valorização do real.

O açúcar também terminou o dia em baixa, uma vez que ambas as commodities aparentavam estar sobrecompradas.

CAFÉ

* O contrato julho do café arábica fechou em queda de 2,85 centavos de dólar, ou 2,0%, a 1,43 dólar por libra-peso, depois de atingir o mais alto patamar desde fevereiro de 2017, a 1,4765 dólar.

* Operadores disseram que tanto os futuros do café arábica quanto os do açúcar bruto pareciam sobrecomprados e prontos para uma correção após os fortes ganhos vistos nas últimas sessões.

* As ofertas de arábica estão diminuindo à medida que o Brasil entra em um ano de baixa em seu ciclo bienal de produção. Enquanto isso, sinais apontam para uma recuperação na demanda.

* A companhia de bebidas e café Keurig Dr Pepper disse nesta quinta-feira que suas vendas de café avançaram 17,4% no primeiro trimestre.

* O café robusta para julho recuou 16 dólares, ou 1,1%, para 1.452 dólares a tonelada.

* As exportações de café do Vietnã –maior produtor de robusta do mundo– nos quatro primeiros meses do ano provavelmente recuaram 17,6% em comparação anual, segundo dados governamentais.

* Os prêmios do robusta no Vietnã permaneceram estáveis nesta semana, diante de oferta e demanda baixas, enquanto na Indonésia os preços recuaram frente ao início da colheita, disseram operadores.

AÇÚCAR

* O contrato maio do açúcar bruto, que expira na sexta-feira, fechou em queda de 0,22 centavo de dólar, ou 1,3%, a 17,08 centavos de dólar por libra-peso. O contrato atingiu uma máxima de dois meses no início da semana, a 17,98 centavos.

* Operadores não esperam uma grande entrega contra o vencimento março, já que o volume de contratos em aberto diminuiu de forma acentuada desde a última semana.

* O início de colheita lento no Brasil, onde o tempo mais seco que o normal afetou o desenvolvimento da cana e atrasou as operações das usinas, pode ser uma das razões para uma entrega reduzida, disseram operadores.

* A trading de commodities Wilmar espera que os preços mais altos do açúcar beneficiem seus negócios de moagem, disse a empresa ao reportar um lucro líquido de 450,2 milhões de dólares no primeiro trimestre, ante 224,1 milhões de dólares em igual período do ano passado.

* O açúcar branco para agosto recuou 9,50 dólares, ou 2,1%, para 453,20 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Maytaal Angel)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.