Agronegócio

Café arábica fecha em queda na ICE; açúcar sobe

Reuters
Reuters

11 de janeiro de 2021 - 19:07 - Atualizado em 11 de janeiro de 2021 - 19:10

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do café arábica negociados na ICE tiveram forte queda nesta segunda-feira, à medida que lockdowns relacionados à Covid-19 geram preocupações com perspectivas de demanda, enquanto os crescentes estoques certificados pela bolsa e a desvalorização do real no Brasil também eram fatores baixistas.

CAFÉ

* O contrato março do café arábica fechou em queda de 2,25 centavos de dólar, ou 1,8%, a 1,2145 dólar por libra-peso, após atingir uma mínima de 1,1910 dólar no início da sessão, menor nível para o primeiro contrato desde meados de dezembro.

* Operadores disseram que o movimento da moeda brasileira, o real, que atingiu o mais baixo patamar desde novembro, exerceu pressão baixista sobre as cotações.

* O real mais fraco faz com que os preços de commodities negociadas em dólar subam nos termos da moeda local, podendo estimular as vendas por produtores do Brasil.

* Operadores acrescentaram que o aumento recente nos estoques certificados pela bolsa também pressionou o mercado. Os estoques certificados de café arábica atingiram 1,49 milhão de sacas nesta segunda-feira.

* O café robusta para março recuou 3 dólares, ou 0,2%, para 1.315 dólares a tonelada.

AÇÚCAR

* O contrato março do açúcar bruto fechou em alta de 0,07 centavo de dólar, a 15,67 centavos de dólar por libra-peso. O primeiro contrato atingiu um pico de 16,33 centavos na semana passada, maior nível desde maio de 2017.

* As compras por fundos ajudaram a alimentar a alta recente da commodity, e os últimos dados da CFTC, para a semana até 5 de janeiro, mostraram uma expansão significativa na posição comprada líquida mantida por especuladores.

* O aperto da oferta no curto prazo, guiado em parte por uma safra ruim na Tailândia, segue dando suporte aos preços, especialmente nos mercados de açúcar branco.

* O açúcar branco para março avançou 3,20 dólares, para 437,90 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447745))

REUTERS GA LC

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.