Agronegócio

Bunge eleva estimativa de lucro anual com forte demanda por óleo vegetal

Reuters
Reuters
Bunge eleva estimativa de lucro anual com forte demanda por óleo vegetal
Vista de instalações de grãos da Bunge em Owensboro, Kentucky (EUA)

28 de julho de 2021 - 14:15 - Atualizado em 28 de julho de 2021 - 14:20

(Reuters) – A comercializadora de commodities agrícolas norte-americana Bunge elevou nesta quarta-feira suas perspectivas para o lucro ajustado no ano completo, depois que uma demanda mais forte do que a esperada por seus óleos vegetais, comprado por companhias de alimentos e combustíveis renováveis, impulsionou um salto de 41% em sua receita receita trimestral.

As ações da companhia subiram 3% no pregão da manhã, depois que a empresa projetou um lucro ajustado para o ano inteiro de 2021 de pelo menos 8,50 dólares por ação, acima de sua estimativa anterior de cerca de 7,50 dólares por ação.

Os resultados da Bunge oferecem uma visão de como as grandes companhias de trading globais de grãos estão emergindo da pandemia de Covid-19, que causou grandes mudanças nas cadeias de alimentos e combustíveis, já que consumidores passaram a cozinhar mais em casa e evitaram viagens desnecessárias.

O aumento da demanda por óleos vegetais de empresas americanas de serviços alimentícios e do setor de diesel renovável está elevando expectativas de lucro da Bunge, disse o presidente-executivo Greg Heckman. A demanda por benefícios renováveis, em particular, desencadeou uma “melhoria estrutural” nos mercados de oleaginosas, disse ele a analistas em uma teleconferência.

Ao contrário de outros combustíveis verdes, como o biodiesel, o diesel renovável pode alimentar motores automotivos sem ser misturado ao diesel derivado do petróleo bruto, tornando-o uma opção de baixa poluição. As refinarias podem produzir diesel renovável a partir de gorduras animais, óleos vegetais e óleo de cozinha usado.

“Haverá mais capacidade necessária para atender a esse crescimento da demanda”, disse Heckman.

O executivo disse em maio que a Bunge estava trabalhando para extrair mais produção de suas operações de esmagamento e refino de sementes oleaginosas existentes para capitalizar na crescente demanda por óleos vegetais.

O balanço também reflete um cenário positivo reportado pela rival Archer Daniels Midland, que divulgou na véspera um salto de quase 52% em seus lucros no primeiro trimestre do ano fiscal. A rival também já havia revelado planos para uma nova instalação de oleaginosas nos Estados Unidos.

O lucro ajustado no segmento de óleos vegetais da Bunge aumentou 135% no segundo trimestre ante um ano antes, para 113 milhões de dólares. O lucro ajustado na maior unidade do agronegócio caiu em relação ao ano passado, embora as vendas líquidas tenham aumentado.

O lucro líquido ajustado total no trimestre subiu para 2,61 dólares por ação, ante 1,88 dólar um ano antes, superando as estimativas dos analistas para 1,62 dólar, de acordo com o Refinitiv IBES. A receita de 15,391 bilhões de dólares superou as estimativas de Wall Street para 11,583 bilhões de dólares.

(Reportagem de Arunima Kumar, em Bengaluru, e Tom Polansek, em Chicago)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6R0TT-BASEIMAGE