Agronegócio

BrasilAgro vê produção de grãos e oleaginosas 5,4% maior em 19/20; lucro cai

Reuters
Reuters

28 de agosto de 2020 - 11:05 - Atualizado em 28 de agosto de 2020 - 11:10

SÃO PAULO (Reuters) – A BrasilAgro estimou aumento de 5,4% na produção de grãos e oleaginosas na temporada 2019/20, para 322,4 mil toneladas, com impulso do milho primeira safra, que teve alta de quase 12 mil toneladas, ou 39,8%, informou a empresa em fato relevante na véspera.

A safra de soja representou cerca de metade do total produzido, com 160,4 mil toneladas, alta de 1,1% na comparação anual. Já o milho segunda somou 106,7 mil toneladas, alta de 5,2%.

A produção de algodão deve cair 8,6%, para 7,4 mil toneladas, devido a condições climáticas na Bahia, que não foram favoráveis ao plantio, o que levou a uma redução de área destinada ao cultivo de 15% em relação ao estimado inicialmente.

A empresa havia concluído a colheita da pluma em 62,6% da área cultivada, até a divulgação do comunicado, e a produtividade está 7,4% superior à estimada.

A empresa destacou que a produtividade da soja na safra 2019/20 de soja foi de 3.109 kg/hectare, resultado 1% acima do estimado inicialmente, enquanto no milho (Brasil) a alta foi de 2,8% ante o projetado no início.

RESULTADOS FINANCEIROS

A companhia informou ainda que encerrou o ano 2019/20 com lucro líquido de 119,6 milhões de reais (-32,5% na comparação anual) e Ebitda ajustado de 177,6 milhões de reais (-13,3%).

A empresa disse que contabilizou impacto no resultado das operações com derivativos no valor de 25 milhões de reais negativos, sendo 35,1 milhões de reais negativos referentes a operações de moeda e 10,1 milhões de reais positivos em commodities.

“No entanto, esse impacto será grande parte neutralizado no caixa, à medida que sejam liquidados ativos da companhia, como estoques e ativo biológico.”

A receita líquida total atingiu 559,1 milhões de reais, alta de 4,5% na comparação anual, com as vendas de produtos agrícolas somando 487,6 milhões de reais, mais do que compensando uma redução de cerca de 60% no faturamento com venda de fazendas, que somou 71,5 milhões de reais.

(Por Roberto Samora)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.