Agronegócio

Brasil caminha para safra recorde de soja 2020/21 com retorno de chuvas em dezembro, mostra pesquisa

Reuters
Reuters

22 de janeiro de 2021 - 17:15 - Atualizado em 22 de janeiro de 2021 - 17:20

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) – Após um início de safra 2020/21 conturbado e marcado pela seca, as lavouras de soja do Brasil, em sua maioria, têm apresentado recuperação do potencial produtivo com a ajuda de chuvas ocorridas entre dezembro e janeiro, abrindo espaço para que o país colha o recorde de 132,2 milhões de toneladas, conforme pesquisa realizada pela Reuters.

De acordo com avaliações de 13 analistas, a projeção para a colheita avançou ante a média de 131,79 milhões de toneladas apurada no levantamento divulgado em dezembro.

A área plantada no Brasil, maior produtor e exportador da oleaginosa, ficou praticamente estável em 38,41 milhões de hectares. Na comparação com a última sondagem da Reuters, a estimativa baixou em 20 mil hectares (veja tabela abaixo).

Segundo os analistas, o ligeiro ajuste negativo na área foi causado pela desistência de alguns agricultores que passaram por frustrações depois de terem plantado durante a seca, e nos meses seguintes substituíram parte da soja por algodão ou milho.

Na produção, houve reavaliações para cima e para baixo, com as condições climáticas beneficiando principalmente as lavouras semeadas mais tarde, à exceção do Rio Grande do Sul.

“As precipitações de dezembro a janeiro conseguiram mitigar a escassez de chuva no início da safra”, disse a analista de mercado da Céleres, Daniely Santos.

Estados como Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Paraná e até São Paulo estão com lavouras cujo desenvolvimento tem apresentado resultados “surpreendentes”, disse o analista de mercado da IHS Markit, Aedson Pereira.

“Fomos surpreendidos positivamente com a evolução das lavouras… nesse eixo, você está vendo uma resposta devido à boa incidência de chuvas e luminosidade no final de dezembro e durante janeiro”, disse o especialista.

“Quem retardou (o plantio) acabou se beneficiando de um clima favorável”, acrescentou Pereira.

Desta forma, em Mato Grosso, onde produtores plantaram “no pó”, ainda no fim de setembro, a colheita dos primeiros talhões neste mês mostra rendimentos abaixo do esperado.

“Mato Grosso sempre foi o Estado que puxava as médias de produtividade de soja para a cima. É o Estado que tem maior área e estabilidade de produtividade. Mas, neste ano, é o que exige mais atenção”, alertou o presidente da consultoria Agroconsult, André Pessôa.

No maior Estado produtor da oleaginosa no Brasil, já se projetava redução na produtividade média após o excepcional resultado de 60 sacas por hectare da safra passada. Antes, a Agroconsult chegou a estimar 58,4 sacas por hectare.

Mas o impacto das condições climáticas sobre o desenvolvimento das lavouras acentuou essa queda. A estimativa da consultoria agora é de que os produtores de Mato Grosso colham 55,5 sacas por hectare.

O presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), Bartolomeu Braz, afirmou à Reuters que, além da colheita de Mato Grosso ter começado com atraso em relação a anos anteriores, em áreas de “sequeiro” (onde não há irrigação) o rendimento chegou a alcançar 40 sacas por hectare.

“Acho que isso não vai se refletir muito para frente, precisamos de chuva até o fim de janeiro e a expectativa ainda é de uma safra recorde, ao menos em torno de 130 mil toneladas”, estimou Braz, mais cauteloso que a média de analistas ouvidos pela Reuters.

Já o analista da consultoria Safras & Mercado, Luis Fernando Roque, alertou sobre as lavouras gaúchas. “A região que merece mais atenção é o Sul e especificamente o Rio Grande do Sul, por causa do La Niña. Continuamos com o alerta ligado para o Rio Grande do Sul, assim como para a Argentina”, disse.

A seca no Brasil chegou a impulsionar a soja na bolsa de Chicago– e agora, com retorno das chuvas, a tendência é que a safra do país diminua o peso sobre os futuros da commodity.

“Chicago ainda está firme e o dólar perto de 5 reais, janeiro ainda tem espaço para os preços da soja crescerem. Mas Brasil começa a ter menos efeito nas cotações em Chicago e a partir de abril, a safra americana começa a influenciar fortemente a bolsa”, explicou a analista da Céleres.

“A safra tem que ser comemorada. É extremamente rentável. Quem ainda tem soja para vender, que é pouca gente, vai vender por preços exorbitantes”, completou Pêssoa, da Agroconsult.

(Reportagem adicional de Ana Mano)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.