Agronegócio

Bom Futuro vê rendimento de algodão acima da média em MT; elevará áreas em 21/22

Reuters
Reuters
Bom Futuro vê rendimento de algodão acima da média em MT; elevará áreas em 21/22
Máquina coletando algodão no estado da Bahia, Brasil.

7 de julho de 2021 - 16:36 - Atualizado em 7 de julho de 2021 - 16:40

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) – O grupo Bom Futuro, um dos principais produtores de algodão de Mato Grosso, acredita que o rendimento de suas lavouras da pluma 2020/21 deve superar a média do Estado, em ano de quebra de safra, e já prevê aumento de até 8% na área de plantio da próxima temporada, disse a empresa nesta quarta-feira.

“A meta é alcançar produtividade de 150 arrobas de pluma por hectare, mesmo se forem enfrentadas adversidades climáticas, acima da média estadual estimada pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) que é de 114 arrobas por hectare de pluma”, afirmou o grupo em nota.

Com isso, a produção está estimada em 260 mil toneladas da pluma, que representam mais de 15% do total cultivado no Estado, porém uma queda em relação ao volume de 316 mil toneladas do ciclo anterior.

Nesta safra, a Bom Futuro semeou 148 mil hectares, ante 167 mil em 2019/20. Do total, 4% já foram colhidos, com trabalhos que tiveram início pela região do Vale do Araguaia.

Em uma temporada marcada por atraso no plantio e problemas climáticos no Estado como um todo, a quebra nas lavouras da empresa chegou a cerca de 12% em área e 18% em produção, quando comparada ao potencial estimado no início do ciclo.

O diretor de Produção da Bom Futuro, Inácio Modesto Filho, lembrou no comunicado que a redução de áreas de algodão foi geral entre os produtores de Mato Grosso, mas ainda assim avaliou a temporada como positiva.

“O algodão gosta de sol e tivemos dias bem ensolarados. Além, é claro, das técnicas de manejo de pragas e doenças e do solo bem fertilizado”, disse ele.

Após um atraso na colheita de soja do Estado, o diretor ressaltou que a janela de plantio do algodão foi apertada e a utilização de cultivares precoces no plantio se mostrou importante para a estratégia da companhia.

“Cultivares precoces de algodão com o mesmo potencial produtivo das tardias, de 140 dias, e melhoria genética fazem a diferença nos campos da empresa.”

Cerca de 73% da safra 2020/21 da empresa já foi comercializada, índice que supera a média da Bom Futuro para o período em anos anteriores, entre 60% e 65%, de acordo com o diretor comercial, Roberto Bortoncello. Ele destacou no comunicado que 90% da produção é exportada e, destes, 70% para países asiáticos.

“Na próxima safra devemos retornar quase à mesma área original, com um crescimento de 5% a 8% sobre a área 2020/21”, estimou Bortoncello.

Para o Estado como um todo, o Imea informou nesta semana em levantamento de safra que as primeiras áreas de algodão, de fato, foram colhidas e apresentam produtividade elevada.

Contudo, o instituto ressaltou que apesar dos altos rendimentos da colheita até aqui, a falta de chuva e a baixa umidade do solo em períodos importantes para o desenvolvimento das plantas, prejudicaram as lavouras mais tardias em algumas regiões, o que tende a refletir no resultado final da safra.

“Além disso, as baixas temperaturas observadas em Mato Grosso e pontos de geada em alguns municípios produtores na última semana, também poderão influenciar nas lavouras que ainda estão em desenvolvimento.”

(Por Nayara Figueiredo)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH6618L-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.