Agronegócio

Açúcar bruto toca mínima de 3 meses na ICE; café também recua

Reuters
Reuters

29 de março de 2021 - 18:16 - Atualizado em 29 de março de 2021 - 18:20

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do açúcar bruto negociados na ICE atingiram uma mínima de três meses nesta segunda-feira, com fundos reduzindo posições compradas em meio a um cenário de gráficos indicando preços baixistas e de fraca demanda na Europa, enquanto o café também recuou.

AÇÚCAR

* O contrato maio do açúcar bruto fechou em queda de 0,27 centavo de dólar, ou 1,8%, a 14,92 centavos de dólar por libra-peso, após atingir uma mínima de três meses, a 14,84 centavos.

* Operadores disseram que os sinais gráficos se tornaram mais baixistas após a desvalorização recente da commodity, enquanto a preocupação com o aperto das ofertas no curto prazo diminuiu, devido a um final mais forte do que o esperado na safra da Tailândia, grande exportadora.

* Fundos reduziram suas posições compradas em açúcar bruto na semana até 23 de março.

* “Os fundos, que começaram o ano muito entusiasmados (com o açúcar), parecem estar jogando a toalha à medida que os preços caem e rompem importantes níveis de suporte”, disse a consultoria Green Pool em atualização semanal.

* A demanda fraca na Europa, relacionada a uma terceira onda da pandemia de Covid-19, também afetou o sentimento do mercado.

* O açúcar branco para maio recuou 6,00 dólares, ou 1,4%, para 431,10 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O contrato maio do café arábica fechou em queda de 1,45 centavo de dólar, ou 1,1%, a 1,2705 dólar por libra-peso.

* Operadores destacaram que fundos também estão reduzindo as posições compradas em café arábica.

* Corretores brasileiros afirmaram que os cafeicultores do país, maior produtor global da commodity, voltaram a ser vendedores ativos no mercado depois de o real atingir o menor nível em 20 dias.

* O café robusta para maio recuou 23 dólares, ou 1,6%, para 1.376 dólares a tonelada.

* As exportações de café do Vietnã nos três primeiros meses do ano provavelmente recuaram 17% em relação a igual período do ano anterior, para 428 mil toneladas.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.