Agronegócio

Açúcar bruto se recupera na ICE antes do contrato outubro expirar

Reuters
Reuters

29 de setembro de 2020 - 17:29 - Atualizado em 29 de setembro de 2020 - 17:30

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os futuros do açúcar bruto negociados na ICE tiveram um rali nesta terça-feira, depois de firme queda na sessão anterior, diante de uma recuperação parcial do real no Brasil e da iminência do vencimento do primeiro contrato.

O café arábica terminou o dia estável, após atingir uma nova mínima de dois meses no início da sessão.

AÇÚCAR

* O contrato outubro do açúcar bruto fechou em alta de 0,4 centavo de dólar, ou 3,2%, a 12,99 centavos de dólar por libra-peso, recuperando as perdas da véspera.

* Os contratos em aberto para outubro (“spot”) seguem volumosos, em cerca de 60 mil lotes, com operadores cogitando a possibilidade de uma grande entrega. O vencimento expira na quarta-feira.

* Operadores disseram que os estoques brasileiros de açúcar estão elevados, pois o país tem produzido o máximo possível do adoçante, o que abre espaço para uma entrega considerável.

* De forma mais ampla, o sentimento nos mercados financeiros foi baixista, com ações e petróleo recuando antes do primeiro debate das eleições presidenciais dos Estados Unidos e em meio ao avanço do número de casos da Covid-19.

* O açúcar branco para dezembro avançou 4,90 dólares, ou 1,3%, para 371,90 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O contrato dezembro do café arábica fechou praticamente estável, a 1,0955 dólar por libra-peso, depois de tocar uma mínima de dois meses (1,0830 dólar) durante a sessão.

* O aumento nos estoques do Brasil depois de uma colheita abundante tem pressionado o mercado do café, embora relatos de que chuvas recentes no país ficaram abaixo das expectativas possam limitar as perdas no futuro.

* O café robusta para novembro recuou 23 dólares, ou 1,7%, para 1.304 dólares por tonelada.

* As exportações de café do Vietnã nos nove primeiros meses deste ano deverão acumular uma queda de 1,4% em relação a igual período do ano anterior. O país é o maior produtor global de robusta.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Maytaal Angel)