Agronegócio

Açúcar bruto fecha em leve alta na ICE; café também avança

Reuters
Reuters

26 de outubro de 2020 - 17:13 - Atualizado em 26 de outubro de 2020 - 17:15

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do açúcar bruto negociados na ICE fecharam em leve alta nesta segunda-feira, com a atenção do mercado ainda voltada para as políticas de exportação da Índia, embora a queda nos preços do petróleo e a valorização do dólar tenham limitado as altas.

O café também terminou o dia em alta, apesar do crescente número de casos de Covid-19 nos Estados Unidos e Europa.

AÇÚCAR

* O contrato março do açúcar bruto fechou em alta de 0,05 centavo de dólar, ou 0,3%, a 14,77 centavos de dólar por libra-peso. O primeiro contrato registrou uma máxima de oito meses (14,94 centavos) na semana passada.

* Operadores disseram que as compras por fundos ajudaram a impulsionar a alta recente do açúcar, mas que o apetite para aumentar uma já enorme posição comprada líquida pode estar começando a diminuir.

* Um anúncio sobre o tamanho dos subsídios da Índia para as exportações de açúcar do país em 2020/21 segue muito aguardado, em meio a preocupações de que os problemas financeiros causados pela pandemia de Covid-19 possam reduzir o nível dos pagamentos do governo.

* “Nós continuamos achando que o governo vai, provavelmente nas próximas duas semanas, anunciar uma cota de exportação de 5 milhões a 6 milhões de toneladas com um subsídio consideravelmente menor do que o do ano passado”, disse o analista Robin Shaw, da Marex Spectron, acrescentando que um subsídio menor exigiria que os preços globais subissem para atrair as exportações indianas.

* A indústria de açúcar da Índia enxerga potencial para um aumento na produção local de etanol, o que poderia reduzir a fabricação de açúcar.

* O açúcar branco para dezembro avançou 1,00 dólar, ou 0,3%, para 396,60 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O contrato dezembro do café arábica fechou em alta de 1,05 centavo de dólar, ou 1,0%, a 1,0665 dólar por libra-peso. O vencimento de primeiro mês atingiu uma mínima de 1,0320 dólar na semana passada, menor nível desde 22 de julho.

* Operadores disseram que as chuvas no Brasil, maior produtor global, seguem fazendo com que a umidade do solo melhore e podem ajudar a recuperar os campos para a safra do ano que vem.

* O café robusta para janeiro avançou 8 dólares, ou 0,6%, para 1.313 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.