Agronegócio

Açúcar bruto fecha em queda na sessão, mas engata sexta semana de ganhos

Reuters
Reuters

23 de outubro de 2020 - 20:05 - Atualizado em 23 de outubro de 2020 - 20:10

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do açúcar bruto negociados na ICE fecharam em leve queda nesta sexta-feira, mas ainda assim engataram a sexta semana consecutiva de ganhos, em um rali liderado por fundos que começou no início de maio e se intensificou nesta semana, diante do atraso da Índia para anunciar sua política de subsídios às exportações do adoçante.

Já o café arábica voltou ao território negativo nesta sexta, após uma recuperação modesta na sessão anterior.

AÇÚCAR

* O contrato março do açúcar bruto fechou em queda de 0,06 centavo de dólar, ou 0,4%, a 14,72 centavos de dólar por libra-peso. Os futuros acumularam alta de 1,7% nesta semana, a sexta consecutiva de ganhos, tendo atingido uma máxima de oito meses, de 14,94 centavos, na quinta-feira.

* Fundos elevaram sua aposta altista no açúcar bruto para mais de 200 mil contratos, segundo dados da CFTC.

* Os subsídios às exportações de açúcar da Índia não serão renovados antes do final das eleições estaduais no país, no mês que vem, disseram fontes.

* Operadores afirmaram que o atraso na política indiana de exportações vai manter o mercado nervoso e imprevisível, mas com um viés altista que deve levá-lo para um nível superior a 15 centavos, ao menos brevemente.

* “A conversa entre operadores indianos é de que a melhora recente nos preços globais pode fazer com que o governo diminua o tamanho dos subsídios”, disse um operador.

* A China, grande consumidora de açúcar, importou 540 mil toneladas do adoçante em setembro, alta de 29,1% em relação a igual período do ano anterior.

* O açúcar branco para dezembro recuou 3,40 dólares, ou 0,9%, para 395,60 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O contrato dezembro do café arábica fechou em queda de 1,1 centavo de dólar, ou 1,0%, a 1,056 dólar por libra-peso, após atingir uma mínima de três meses (1,0320 dólar) na quarta-feira.

* Temores relacionados ao tempo seco nas principais regiões produtoras de café do Brasil diminuíram recentemente, embora a empresa de meteorologia Maxar diga que condições mais secas poderão ser verificadas nas áreas cafeeiras ao sul do país nos próximos cinco dias.

* Operadores também seguem de olho nos estoques de café certificados pela bolsa, que começaram a subir em relação a mínimas recentes de 20 anos.

* O café robusta para janeiro recuou 2 dólares, ou 0,2%, para 1.305 dólares por tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Maytaal Angel)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.