Agronegócio

Açúcar bruto e café arábica fecham em queda na ICE

Reuters
Reuters

1 de abril de 2021 - 18:05 - Atualizado em 1 de abril de 2021 - 18:10

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros de açúcar bruto e café arábica negociados na ICE recuaram nesta quinta-feira, em meio ao aumento no número de casos de coronavírus em diversos países, o que coloca em dúvida as perspectivas de recuperação de demanda neste ano.

AÇÚCAR

* O contrato maio do açúcar bruto fechou em queda de 0,06 centavo de dólar, ou 0,4%, a 14,71 centavos de dólar por libra-peso, depois de ter tocado uma mínima de três meses na véspera, a 14,67 centavos.

* Operadores disseram que os riscos para o preço do açúcar apontam para baixo, com o aperto nas oferta diminuindo, mas acrescentaram que a mínima vista na quarta-feira pode ser um ponto de suporte devido às incertezas relacionadas à safra brasileira.

* “Projetamos um excedente de 8,5 milhões de toneladas no mercado global tanto em 2020/21 quanto em 2021/22. Em 2021/22, a produção vai se recuperar na União Europeia, Tailândia e Rússia, entre outros”, disse a Fitch Solutions.

* O Brasil exportou 1,98 milhão de toneladas de açúcar em março, versus 1,42 milhão de toneladas no mesmo mês de 2020, segundo dados do governo.

* Usinas de açúcar da Índia elevaram sua produção em cerca de 20% na comparação anual, para 27,76 milhões de toneladas, nos primeiros seis meses do ano comercial de 2020/21.

* O açúcar branco para maio avançou 3,40 dólares, ou 0,8%, para 423,40 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O contrato maio do café arábica fechou em queda de 1,9 centavo de dólar, ou 1,5%, a 1,216 dólar por libra-peso, tendo atingido uma mínima de um mês e meio, a 1,2050 dólar, na quarta-feira.

* O arábica segue apoiado pelas perspectivas de uma menor produção no Brasil em 2021/22, mas o aumento no número de casos de coronavírus, especialmente na Europa, tem colocado em dúvida as expectativas anteriores de uma recuperação na demanda pela commodity.

* O Brasil exportou 241.589 toneladas de café verde em março, versus 182.615 toneladas há um ano.

* O café robusta para maio recuou 17 dólares, ou 1,3%, para 1.325 dólares a tonelada.

* Os preços do café no Vietnã, maior produtor global de robusta, recuaram nesta semana frente à anterior, devido à fraca demanda, disseram operadores.

(Reportagem de Marcelo Teixeira)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.