Agronegócio

Açúcar bruto e café arábica caem mais de 3% com desvalorização do real

Reuters
Reuters

28 de setembro de 2020 - 17:56 - Atualizado em 28 de setembro de 2020 - 18:00

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do açúcar bruto e café arábica negociados na ICE recuaram mais de 3% nesta segunda-feira, pressionados pela desvalorização do real, que atingiu seu menor nível frente ao dólar em mais de quatro meses.

O enfraquecimento da moeda brasileira, maior produtor global de açúcar e café, impulsiona os ganhos dos agricultores nos termos da moeda local, aumentando as vendas antecipadas nos mercados futuros de Nova York.

AÇÚCAR

* O contrato outubro do açúcar bruto fechou em queda de 0,41 centavo de dólar, ou 3,2%, a 12,59 centavos de dólar por libra-peso, depois de atingir uma máxima de um mês (13,18 centavos) no início da sessão, em meio a compras por fundos.

* Operadores disseram que o mercado se deteriorou à medida que o real acelerou suas perdas ante o dólar, o que levou o Banco Central a vender a divisa norte-americana no mercado à vista pela primeira vez em mais de um mês.

* Os fundos aumentaram de forma acentuada sua posição comprada líquida em açúcar na semana passada, abrindo espaço para eventuais correções.

* O contrato outubro expira nesta semana. Raissa Cury Pires da Silva, head de Pesquisas na América da corretora ED&F Man, acredita que há potencial para uma grande entrega.

* O açúcar branco para dezembro recuou 9,50 dólares, ou 2,5%, para 367,00 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O contrato dezembro do café arábica fechou em queda de 4,1 centavos de dólar, ou 3,6%, a 1,0955 dólar por libra-peso, chegando a tocar uma mínima de dois meses (1,0870 dólar) durante a sessão.

* As expectativas de corretores, de que os preços do café pudessem recuperar algum terreno nesta semana, com chuvas abaixo do previsto em áreas cafeeiras do Brasil, se dissiparam em meio ao fraco desempenho do real nesta segunda.

* Operadores disseram que os grandes estoques em armazéns do Brasil, depois de uma safra abundante neste ano, também são uma influência baixista.

* O café robusta para novembro recuou 31 dólares, ou 2,3%, para 1.327 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)