Agronegócio

Açúcar bruto avança na ICE em meio a entrega recorde; café também sobe

Reuters
Reuters

30 de setembro de 2020 - 18:19 - Atualizado em 30 de setembro de 2020 - 18:20

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do açúcar bruto negociados na ICE fecharam em alta nesta quarta-feira, dia marcado pelo vencimento do contrato outubro, com operadores relatando a maior entrega da história da bolsa, de 2,62 milhões de toneladas.

Os preços do café arábica terminaram o dia em leve alta, à medida que o mercado dá sinais de estabilização após uma firme queda recente.

AÇÚCAR

* O contrato março do açúcar bruto fechou em alta de 0,09 centavo de dólar, ou 0,7%, a 13,51 centavos de dólar por libra-peso. O contrato outubro expirou cotado a 13,07 centavos de dólar por libra-peso.

* As entregas frente ao vencimento do contrato outubro atingiram 51.599 lotes, um recorde para qualquer contrato negociado na bolsa, segundo operadores.

* Operadores divergiram na avaliação da entrega –se o volume é baixista ou altista para o mercado. Como sempre, o grande volume sinaliza ampla oferta, mas o interesse das tradings em receber o adoçante também indica que há destinos para o produto.

* “Na nossa visão, as entregas têm sido ativas neste ano por causa da queda na produção da Tailândia, o que significa que as tradings que estavam acostumadas a comprar açúcar tailandês precisam procurar pela oferta em outro lugar”, disse o Rabobank em nota, acrescentando que as empresas preferem fazer essas operações por meio da bolsa.

* O açúcar branco para dezembro avançou 3,40 dólares, ou 0,9%, para 375,30 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O contrato dezembro do café arábica fechou em alta de 1,4 centavo de dólar, ou 1,3%, a 1,1095 dólar por libra-peso, recuperando-se após registrar uma mínima de mais de dois meses (1,0830 dólar) na véspera.

* “Os preços parecem ter se estabilizado, com o mercado ponderando as perspectivas de grandes estoques no Brasil ante um início misto à floração da próxima temporada”, disse o Rabobank.

* O banco acrescentou que as temperaturas no Brasil têm se mantido acima da média, e que a umidade do solo pode se tornar um problema caso as chuvas não apareçam nas próximas duas semanas.

* Há previsão de chuvas nas áreas cafeeiras do Brasil para a segunda semana de outubro.

* O café robusta para novembro avançou 1 dólar, ou 0,1%, para 1.305 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)