Coronavírus

Aglomeração é a principal razão para interdição de comércios em Curitiba

Denuncie aglomerações e descumprimento de medidas sanitárias durante a crise do novo coronavírus pelo telefone 156, da Prefeitura Municipal

Caroline
Caroline Berticelli / Editora com informações da Prefeitura de Curitiba
Aglomeração é a principal razão para interdição de comércios em Curitiba
Foto: Hully Paiva/SMCS

17 de maio de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:44

O descaso das pessoas com o distanciamento social e as aglomerações têm sido o principal motivo para a interdição de estabelecimentos comerciais e de serviços que estão em funcionamento em Curitiba

De acordo com a Prefeitura Municipal, fiscalizações realizadas na sexta-feira (15) e noite de sábado (16) resultaram em 14 notificações e dois fechamentos de bares.

Foram vistoriadas lojas de departamentos, de materiais de construção, papelaria, supermercados, açougues, salão de cabeleireiros, além de bares.  

“Em comum, todos apresentaram no momento da vistoria, aglomeração ou na área interna ou externa, cuja responsabilidade por organizar o distanciamento entre as pessoas cabe ao proprietário”, diz a diretora de fiscalização da Secretaria Municipal do Urbanismo, Jussara Policeno de Oliveira Carvalho.

Exigências para funcionamento durante pandemia

Evitar o agrupamento de pessoas, garantir 1,5 metro de distância entre cada cidadão está entre as exigências estabelecidas pelo Comitê de Técnica e de Ética Médica do município e dispostas na resolução 01/2020 do município, para todo estabelecimento em funcionamento na cidade.

Outras exigências são:

  • o uso de máscaras por todos, clientes e funcionários (neste caso mesmo que o trabalhador não esteja em contato direto com o cliente); 
  • disponibilização de álcool em gel para todos;
  • higienização constante dos sanitários que devem dispor sabonete líquido, papel toalha e lixeira com acionamento por pedal.

Também precisa ser constante a higienização de todas as superfícies, como mesas, cadeiras e balcões, com álcool setenta por cento, nas áreas internas e externas.

Ações diurnas

Ainda conforme a administração municipal, as fiscalizações realizadas na sexta-feira (15) ocorreram durante o dia, em loja de departamentos, de materiais de construção, papelaria, supermercados, açougues, salão de cabelereiros em funcionamento nos bairros Rebouças, Juvevê, Cabral, Água Verde e Vila Isabel.

Os fiscais da Secretaria Municipal do Urbanismo expediram notificações nos nove estabelecimentos vistoriados quanto ao cumprimento da resolução municipal usada como complemento das medidas de combate à covid -19. Em seis vistorias também foram realizadas notificações quanto a irregularidades no alvará de funcionamento.

Ações em bares

Já no sábado, foi Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu), com equipes da Prefeitura e Governo do Estado, em bares nos bairros Santa Felicidade, Água Verde, Seminário e São Francisco. Todos os cinco estabelecimentos fiscalizados foram notificados por não garantirem a distância mínima entre os clientes, sendo dois também por apresentarem irregularidades quanto a documentação. Já dois bares, localizados no Seminário, precisaram ser interditados por estarem com aglomeração no momento da fiscalização.

Fiscalização em estabelecimentos comerciais 

A fiscalização aos estabelecimentos em funcionamento tem sido constante pelas equipes da Secretaria Municipal do Urbanismo. Somadas as ações realizadas na semana, entre a manhã de segunda-feira (11/5) e a noite de sábado  (16/5), foram fiscalizados 46 estabelecimentos, expedidas 43 notificações, e interditados quatro estabelecimentos.

Todos haviam sido denunciados pela população, via 156, por descumprirem as medidas necessárias para evitar a contaminação da covid-19.

Guarda Municipal

A Secretaria Municipal da Defesa Social também intensificou as ações de fiscalização e orientação da população. Nas duas primeiras semanas de maio, a Guarda Municipal já orientou 17.271 pessoas em situações diversas, como em canchas, praças, eixos comerciais, nos arredores e entradas de agências bancárias, durante a retirada dos kits de alimentação em CMEis e escolas da rede municipal e nos terminais de transporte coletivo. Além de recomendar que se evite aglomerações, a GM organiza filas e conversa sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras.

As atividades também atendem a solicitações da própria população que chegam pela Central 156 de Atendimento ao Cidadão e, também, pelo telefone de emergência 153 da Guarda Municipal

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.