Notícias

África do Sul alerta para “apartheid da vacina” se países ricos armazenarem doses

Reuters
Reuters
África do Sul alerta para “apartheid da vacina” se países ricos armazenarem doses
Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, em Johanesburgo

10 de maio de 2021 - 10:13 - Atualizado em 10 de maio de 2021 - 10:15

Por Alexander Winning

JOHANESBURGO (Reuters) – O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, disse nesta segunda-feira que, se nações ricas armazenarem vacinas contra Covid-19 enquanto milhões de pessoas de países pobres morrem esperando por elas, isto equivalerá a um “apartheid da vacina”.

África do Sul e Índia pressionam pela dispensa de alguns direitos de propriedade intelectual de vacinas e remédios contra Covid-19 na Organização Mundial do Comércio (OMC).

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, apoiou a proposta na semana passada, mas meses podem se passar até se chegar a um acordo.

Ramaphosa pediu aos sul-africanos que apoiem a dispensa em uma newsletter semanal, dizendo que as vacinas deveriam ser “um bem público global”.

“Trata-se de afirmar nosso compromisso com o avanço da igualdade e dos direitos humanos, não somente em nosso próprio país, mas em todo o mundo”, escreveu ele.

“Uma situação na qual as populações dos países avançados e ricos são inoculadas com segurança enquanto milhões em países mais pobres morrem na fila equivaleria a um apartheid da vacina.”

A África subsaariana foi a região que menos administrou vacinas em relação à sua população – cerca de 8 doses para cada mil pessoas, contra 150 doses para cada mil pessoas globalmente, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ramaphosa lembrou que, vinte anos atrás, a África do Sul enfrentou o setor farmacêutico em meio as esforços para importar e fabricar antirretrovirais genéricos acessíveis para tratar pessoas com HIV/Aids.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH490LW-BASEIMAGE